'Por mais que Moro seja meu padrinho, como deputada da base devo apoiar Bolsonaro', diz Carla Zambel

Carla Zambelli (PSL-SP) reafirmou seu compromisso com o presidente da República

Carla Zambelli, deputada federalCarla Zambelli, deputada federal - Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Representante assídua do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados e apadrinhada de casamento do ministro Sergio Moro, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) reafirma seu compromisso com o presidente da República apesar do pedido de demissão de Moro nesta sexta (24).

"Por mais que o Moro seja meu padrinho de casamento e eu esteja triste com a sua saída, eu, como deputada da base, devo apoiar o Bolsonaro", diz à reportagem.

Em fevereiro deste ano, o então ministro da Justiça e sua esposa, Rosangela Moro, participaram do casamento de Carla Zambelli como padrinhos. Na ocasião, Moro dançou valsa e discursou para os presentes.

Leia também:
Associação de membros do MP destaca trabalho de Moro no combate à corrupção
Com saída de Moro, ministro amigo de Bolsonaro é o mais cotado para assumir Justiça


"A gente vai ter, obviamente, um abalo na comunicação e no governo como um todo. Querendo ou não, é a saída de um ministro importante. Até [tenhamos], talvez, uma crise um pouco mais acentuada do que a gente teve com o Mandetta", segue Zambelli, que vê a saída de Moro do Ministério da Justiça como inesperada.

O ex-ministro Sergio Moro anunciou sua demissão do governo federal nesta sexta-feira (24). Moro apontou fraude no Diário Oficial da União no ato de demissão de Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal e criticou a insistência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a troca do comando do órgão, sem apresentar causas que fossem aceitáveis.

Moro afirmou que Bolsonaro queria ter acesso a informações e relatórios confidenciais de inteligência da PF. "Não tenho condições de persistir aqui, sem condições de trabalho." E disse que "sempre estará à disposição do país". A demissão de Moro foi antecipada pela Folha de S.Paulo nesta quinta-feira (23).

Carla Zambelli afirma que o abalo gerado pelo confronto entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Sergio Moro poderia ter sido contornado se houvesse uma comunicação mais eficiente. Segundo ela, o nome de Alexandre Ramagem, um dos cotados para substituir Valeixo no comando da PF, tem a aprovação de Moro. "Na [entrevista] coletiva, o próprio ministro elogiou o Ramagem", diz.

A deputada defende Bolsonaro das acusações de interferência na Polícia Federal e diz que os únicos fatos que o presidente pretendeu tomar conhecimento foi em torno da investigação da facada que recebeu em 2018, durante a campanha eleitoral. E diz que a oposição quer "usar qualquer motivo para pedir impeachment".

"Como vítima, não como presidente da República, o presidente chegou a falar publicamente que ele gostaria de saber quem tinha mandado matá-lo. Acredito que o Sergio Moro esteja falando mais sobre esse caso do que qualquer outra", afirma Zambelli.

Veja também

Em cadeia nacional, Queiroga defende vacinação e apela para que pessoas tomem a 2ª dose
VACINAÇÃO

Em cadeia nacional, Queiroga defende vacinação e apela para que pessoas tomem a 2ª dose

Covid-19: Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento da Pfizer
Coronavírus

Covid-19: Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento da Pfizer