Prisão alvo de matança em Manaus foi considerada "péssima" em inspeção

A maior unidade prisional do Amazonas, nas últimas 17 horas, foi palco da maior matança desde o massacre do Carandiru, em 1992

Líder do PT no Senado, Humberto Costa.Líder do PT no Senado, Humberto Costa. - Foto: Roberto Stuckert Filho

Presos sem assistência jurídica, educacional, social e de saúde. Um sistema classificado como "péssimo" para qualquer tentativa de ressocialização.
Foi esse o diagnóstico elaborado durante inspeção em outubro do ano passado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) no presídio Anísio Jobim, de Manaus, a maior unidade prisional do Amazonas e que, nas últimas 17 horas, foi palco da maior matança desde o massacre do Carandiru, em 1992. Ao menos 60 presos foram mortos.

Leia Mais

Amazonas vai alugar contêiner para guardar corpos de presos mortos em rebelião

Secretário confirma pelo menos 60 mortes durante rebelião em Manaus

 

Esse número, segundo o governo do Amazonas, pode subir, já que a polícia ainda não terminou a contagem oficial de mortos, feridos e fugitivos.
A unidade também não conta com aparelhos para detectar a entrada de metais nem equipamentos para bloquear sinal de celular. As revistas para a entrada de visitantes são feitas por 94 agentes penitenciários que se revezam entre três turnos.
Em 2014, um vídeo obtido pela Folha mostrou que a unidade é uma terra sem lei. Na época, uma dezena de presos foi flagrada em um vídeo que circulou pelas redes sociais na chamada"fila do pó". O pó consumido era cocaína.

A livre circulação de drogas na penitenciária é uma rotina "comum", segundo a associação dos agentes penitenciários terceirizados.
O Anísio Jobim também carrega um problema comum ao sistema prisional brasileiro: a superlotação. Segundo o próprio governo do Estado, são 1.224 homens presos por lá, o triplo da capacidade (de 454 vagas).

FACÇÕES CRIMINOSAS

Presos provisórios, ainda segundo o CNJ, também dividem celas com detentos já condenados. Esse quadro é propício para a insurgência de facções criminosas, que passaram a atuar dentro da unidade.

Segundo as investigações, partiu da facção Família do Norte a ordem para abater membros do rival PCC (Primeiro Comando da Capital). Entre todas as vítimas, morreram mais membros do PCC, de acordo com a pasta da segurança pública do Estado.

A atuação da Família do Norte no comando do tráfico de drogas no Amazonas desestabilizou a reeleição, em 2014, do governador José Melo de Oliveira (PROS). Um áudio vazado mostrou o subsecretário de segurança, na época, negociando apoio eleitoral com um líder da Família do Norte que estava preso no Anísio Jobim.
O então subsecretário Carliomar Brandão foi exonerado do cargo e disse que a conversa que ele teve com o detento foi manipulada.

Para o governo do Amazonas, a meta será restabelecer a ordem na penitenciária. Segundo o governador, serão investidos parte dos R$ 44,7 milhões de repasse que o Fundo Penitenciário do Amazonas recebeu do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), na última quinta-feira (29), para colocar a unidade de pé.

Em entrevista à imprensa, Sérgio Fontes, secretário de Segurança Pública do Amazonas, disse que o controle de facções em presídios não é um problema exclusivo do Amazonas. "Esse foi mais um capítulo da guerra silenciosa e impiedosa do narcotráfico que está espalhado por todo o país", afirmou.

Veja também

Estudo da UnB investiga cepas do coronavírus Sars-CoV-2 encontradas no DF
Coronavírus

Estudo da UnB investiga cepas do coronavírus Sars-CoV-2 encontradas no DF

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia
Meio Ambiente

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia