Procuradores vão às redes sociais e criticam indicação de Augusto Aras para PGR

Caso aprovado pelo Senado e nomeado pelo presidente, Aras será o chefe desses procuradores que reclamam das suas posições

Augusto Aras será o novo Procurador-Geral da RepúblicaAugusto Aras será o novo Procurador-Geral da República - Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE

A indicação de Augusto Aras para a PGR (Procuradoria-Geral da República), feita pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta-feira (5), foi criticada pelos procuradores do MPF (Ministério Público Federal), que se manifestaram em redes sociais.

Caso aprovado pelo Senado e nomeado pelo presidente, Aras será o chefe desses procuradores que reclamam das suas posições.

O procurador Fernando Rocha, do Rio Grande do Norte, disse que "o momento é de reconhecer o grande equívoco" para quem "um dia acreditou que esse governo tinha algum compromisso com o combate à corrupção, com a independência do MP, com a Lava Jato".

Leia também:
Novo PGR terá de enfrentar de mensagens da Lava Jato a inquérito das fake news no STF
Bolsonaro ignora lista tríplice e diz a Augusto Aras que o indicará à PGR
Equipe da Lava Jato na PGR pede demissão coletiva em protesto contra Dodge


"O advogado Aras, indicado para a PGR!", exclamou Rocha, indicando o fato de Augusto Aras ainda advogar, além de ser subprocurador-geral da República. "(Sergio) Moro mais uma vez foi fritado", disse.

Apesar de controverso, o exercício concomitante da advocacia com o trabalho no Ministério Público é permitido àqueles que ingressaram na carreira pública antes da Constituição de 1988 e fizeram essa opção.

Michele Rangel Vollstedt Barros, da Procuradoria Regional da República da 1ª Região, afirmou que é uma "triste notícia para o combate à corrupção" e "triste dia para a democracia".

Wesley Miranda Alves, lotado em Uberlândia, citou o projeto de abuso de autoridade, sancionado com vetos, e a indicação de Aras, e disse que "fosse esse o cenário em 2014, não teríamos Lava Jato".

Lotado em Rondônia, João Gustavo Seixas, disse que "em se confirmando as notícias, hoje será um dia de triste lembrança para o Ministério Público brasileiro e, por consequência, para a sociedade brasileira".

Outros procuradores lembraram que Augusto Aras é um nome que não concorreu à lista tríplice da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), tradição que tem sido respeitada pelos presidentes desde 2003.

Wellington Saraiva lembrou que o presidente desprezou a lista. "Desejo de enfraquecer a atuação do MPF e, com isso, a luta contra a corrupção e outros crimes graves. Dia triste para o MPF e para quem deseja um Brasil mais limpo", disse.

Logo antes da indicação, Janice Ascari, integrante da força-tarefa da Lava Jato em SP, lembrou que Bolsonaro havia recebido a lista tríplice "há mais de dois meses mas não decide nada".

Quando o nome de Aras foi anunciado, a procuradora Hayssa K. Medeiros mudou a sua foto de perfil para uma imagem negra, com o logo "MPF em Luto", e disse: "Saudades das flechadas. Estamos há quase dois anos sem liderança institucional e prosseguiremos por mais dois anos."

O termo é uma referência a uma frase célebre do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que havia afirmado que "enquanto houver bambu, vai ter flecha".

Uma exceção, porém, disse que a escolha do presidente da República nunca foi fácil e pediu a Deus que "ilumine o escolhido, para o bem da sociedade e do Brasil". Foi Ailton Benedito, chefe da Procuradoria em Goiás e conhecido nas redes por seu alinhamento ao conservadorismo.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Augusto Aras disse que iria convidar Ailton para sua gestão, caso fosse escolhido.

Veja também

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
Covid-19

Brasil registra 33.413 novos contágios e 1.031 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi
violência

Violência contra povos indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi