Programa de TV pública alemã chama Bolsonaro de 'Idiota de Ipanema'

A critica envolve o desmatamento no Brasil

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

Um programa de sátira da rede pública alemã de televisão ARD, exibido na quarta-feira (15), chamou o presidente Jair Bolsonaro de "Idiota de Ipanema" em crítica sobre o desmatamento no Brasil.

"Se tem alguém que não tem qualquer preocupação com sustentabilidade e emissão de CO2, essa pessoa é o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, o 'Samba-Trump', que outros também chamam de 'Idiota de Ipanema'. Eu sou uma dessas pessoas." Dessa forma o apresentador do programa extra 3, Christian Ehring, começa a sua sátira ao presidente Bolsonaro.

Entre piadas sobre cerveja alemã e times de futebol, Ehring afirma que a floresta amazônica é imprescindível para sobrevivência terrestre e que nesse ano já houve mais de 200% de desmatamento, na comparação com 2018.

Leia também: 
Por aumento de desmate, Alemanha suspende parte de verba que iria para a Amazônia
Papa pede a líderes do mundo que salvem a Amazônia
Ministro do Meio Ambiente defende reestruturação do Fundo Amazônia

Na verdade, ainda não há números oficiais defnitivos sobre o aumento no desmate na Amazônia. O que se tem, por enquanto, são os dados do Deter –que, no momento, apontam tendências de alta na destruição e que servem para ajudar ações de fiscalização do Ibama–, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os dados apontam que houve um aumento de 90% no desmatamento em junho e de 278% em julho, quando comparados a junho e julho de 2018, respectivamente.

O apresentador segue dizendo que Bolsonaro permite o desmatamento para expandir as produções de soja e de carne bovina. Ehring lembra que enquanto o presidente demonstra total indiferença sobre a suspensão feita pela ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, de verbas para proteger a Amazônia brasileira, ele também comemora o acordo de livre-comércio fechado entre União Europeia e Mercosul.

A resolução entre os blocos, segundo um vídeo explicativo que entra entre as falas de Ehring, vai permitir mais importações de produtos brasileiros.

"Isso vai destruir mais floresta amazônica do que é possível ser resgatado por Svenja Schulze. Nós vamos comprar mais carne bovina brasileira. Isso significa mais queimadas de desmatamento, mais espaço de pastagens e mais cultivo de soja. É o início de uma parceria destruidora", afirma o apresentador.

Ehring diz ainda que Bolsonaro demitiu o chefe que cuidava da documentação de desmatamento no país e, ainda, colocou uma lobista do agronegócio para cuidar do ministério da Agricultura.

Ao final da crítica, o apresentador chama um vídeo com uma paródia da música "Copacabana", de Barry Manilow, com várias cenas do presidente brasileiro e da floresta amazônica. O vídeo começa com Bolsonaro falando que, se eleito, não deixaria um centímetro para reserva indígena. "Aqui no Brasil, governa um cara esquisito, que gosta de polícia, militares e de atirar com espingardas", diz trecho da paródia.

Veja também

USP busca voluntários para testar vacina contra HIV
Saúde

USP busca voluntários para testar vacina contra HIV

Projeto no Rio arrecada bicicletas para uso de crianças nas favelas
Rio de Janeiro

Projeto no Rio arrecada bicicletas para uso de crianças nas favelas