Protesto faz consulado dos EUA suspender emissão de vistos em São Paulo

Protesto foi contra a sobretaxa do aço brasileiro criada pelo presidente americano, Donald Trump.

Presidente dos EUA Donald TrumpPresidente dos EUA Donald Trump - Foto: Mandel Ngan / AFP

O Consulado dos Estados Unidos na cidade de São Paulo suspendeu durante todo o dia desta segunda-feira (5) os serviços consulares regulares, devido a um protesto organizado pela Força Sindical contra a sobretaxa do aço brasileiro criada pelo presidente americano, Donald Trump. Os serviços serão retomados esta terça (6).

A manifestação foi em frente à sede do consulado por volta das 11h, na Rua Henri Dunant, 700, zona sul da capital. Mesmo reunindo um pequeno grupo de pessoas, a Polícia Militar fez um cordão para impedir a entrada de pessoas no local. De acordo com o consulado, hoje serão atendidos apenas cidadãos norte-americanos que precisem de assistência emergencial. Os vistos que seriam emitidos hoje serão remarcados.

A professora aposentada Regina Magalhães, de 63 anos, reclamou da falta de informações. Ela veio de Belo Horizonte para emitir o visto e foi surpreendida pela manifestação que levou ao fechamento do consulado. “Minha passagem estava marcada para 14h45 de amanhã, era a volta para Belo Horizonte. Acho que não vão atender hoje, vou tentar remarcar o visto e a passagem para amanhã”, lamentou.

Leia também:
Toyota prevê aumento de preços com taxação de aço nos EUA
Departamento de Comércio dos EUA propõe tarifa ao aço brasileiro


Protecionismo

A Força Sindical reclama da medida anunciada por Trump, que tem como objetivo proteger os produtores norte-americanos. Para a central sindical, a taxação sobre as exportações brasileiras de aço e alumínio vai afetar a produção e, consequentemente, a criação de empregos no Brasil.

Veja também

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19
boletim

Brasil atinge 5,4 milhões de casos da Covid-19

Maioria do STF defende que Estado possa obrigar população a se vacinar
Coronavírus

Maioria do STF defende que Estado possa obrigar população a se vacinar