PT rejeita pedidos de filiação com nomes da família Bolsonaro

Segundo o PT, os pedidos nem sequer chegaram a ser processados

Presidente Jair Bolsonaro em videoconferência com o presidente da PolôniaPresidente Jair Bolsonaro em videoconferência com o presidente da Polônia - Foto: Marcos Corrêa/PR

O PT excluiu nesta terça-feira (2) pedidos de filiação feitos ao partido com supostos dados pessoais do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de seus filhos Carlos e Eduardo.

Internautas tentaram fazer o processo de filiação após um grupo de hackers que se identifica como Anonymous Brasil ter anunciado o vazamento de informações atribuídas à família Bolsonaro e a aliados na segunda-feira (1º).

Segundo o PT, os pedidos nem sequer chegaram a ser processados. "Os prints distribuídos correspondem tão somente à entrada dos pedidos no sistema", afirma em nota a assessoria do partido. Uma situação semelhante havia ocorrido em abril, quando dados do ministro-chefe Augusto Heleno vieram a público.

Leia também:
Ministro da Justiça determina que PF investigue vazamento de supostos dados de Bolsonaro
Grupo hacker expõe dados pessoais atribuídos a Bolsonaro, filhos e aliados


Na ocasião, as informações pessoais de Heleno passaram a circular depois que ele publicou exame que mostrava que seu último resultado para o teste d o novo coronavírus havia dado negativo. Além do resultado, o documento mostrava CPF, RG, nome completo, data de nascimento e outras informações sobre o paciente, que, posteriormente, publicou versão do documento com tarjas.

Nesta segunda-feira, também foram expostos dados atribuídos à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, e ao deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP). Pouco depois, as informações foram retiradas do ar.

"A turma 'pró-democracia' vazou meus dados pessoais e de outros na internet. Após vermos violações do direito à livre expressão, agora ferem a privacidade. Sob a desculpa de 'combater o mal', justificam seus crimes e fazem justamente aquilo que nos acusam, mas nunca provam!", escreveu o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) em sua conta no Twitter.

Garcia, também pela rede social, confirmou que seus dados são verdadeiros e disse que faria um boletim de ocorrência. O ministro Weintraub, a militante Sara Winter e Douglas Garcia (PSL-SP) também foram inscritos no PT -e, posteriormente, excluídos do sistema do partido.

Procurado pela reportagem, o grupo Anonymous afirmou que divulgou o número do CPF, telefones e Whatsapp, e-mails, endereços, renda e bens. No site da Justiça Eleitoral há uma lista dos bens e salários de todos os políticos, porém, dados pessoais não são públicos.

"Os dados foram soltos no dia 1 de janeiro, às 21h30, pelo @AnonymouBrasil. Depois disso houve uma discussão com o Douglas [Garcia] e fomos suspensos", afirmou o grupo.

Veja também

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin
SAÚDE

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca
VACINAÇÃO

Ministério da Saúde autoriza uso da Pfizer para 2ª dose de grávidas que tomaram AstraZeneca