A-A+

Publicada portaria que obriga empresas a contratar presos ou egressos

A portaria foi assinada pelos ministros da Segurança Pública e dos Direitos Humanos

Empresas contratadas pelo governo federal têm que empregar presos ou egressos do sistema prisional Empresas contratadas pelo governo federal têm que empregar presos ou egressos do sistema prisional  - Foto: Arquivo/Agência Brasil

A portaria que obriga empresas contratadas pelo governo federal a empregar presos ou egressos do sistema prisional foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (14). A medida vale para empresas vencedoras de licitações cujos contratos com o governo superem R$ 330 mil. A portaria é assinada pelos ministros da Segurança Pública, Raul Jungmann, e dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha.

Além de dispor sobre o procedimento de contratação de mão de obra de presos ou egressos do sistema prisional, a portaria aborda detalhes relativos à forma como o cumprimento dessas regras será fiscalizado.

Leia também:
Quase mil presos ganham direito à saída temporária em Pernambuco
Mais de 100 detentos fogem de presídio em João Pessoa; tenente pernambucano é morto
Reeducandos realizam mutirão de limpeza ao longo da PE-15, em Olinda
Fazenda da Esperança recebe primeiros reeducandos para inauguração
Nem, ex-líder de quadrilha da Rocinha, é condenado a 66 anos de prisão

As novas regras haviam sido anunciadas em agosto pelos ministros Raul Jungmann e Gustavo Rocha. “Toda e qualquer empresa que vá contratar ou que vença licitação de mais de R$ 330 mil por ano terá de contratar um percentual, que começa em 3% [de egressos ou presos]. Quanto maior for o valor da licitação, maior será esse percentual, até o máximo de 6%”, disse Jungmann durante a cerimônia de assinatura da portaria.

Quando a execução do contrato demandar 200 ou mais funcionários, o percentual de egressos ou presos contratados deverá ser de 3%. De 201 a 500, o percentual sobe para 4%; quando for entre 501 e 1 mil funcionários será de 5%; e quando for acima de 1 mil empregados, de 6%. A obediência a esses percentuais será exigida da proponente vencedora na assinatura do contrato. Caberá à empresa apresentar mensalmente – ao juízo de execução, com cópia para o fiscal do contrato ou para o responsável indicado pela contratante – a relação nominal dos empregados, ou outro documento que comprove o cumprimento dos limites percentuais previstos.

Na época em que anunciou a portaria, o ministro Jungmann disse que a nova legislação poderá ajudar os presos a terem uma recolocação produtiva e, dessa forma, evitar que cometam novos crimes. Para Jungmann, a medida diminuirá o poder das facções criminosas, uma vez que alternativas laborais dentro e fora do sistema prisional evita que os indivíduos se tornem “escravos” dessas facções.

A fim de facilitar a implementação dessas regras, será criado o Banco Nacional de Egressos – um cadastro por meio do qual as empresas terão acesso ao perfil do preso ou do egresso, de forma a identificar aqueles com melhores condições para ocupar o posto.

Veja também

SP atribui causa da morte de adolescente vacinada à doença autoimune
Vacinação em adolescentes

SP atribui causa da morte de adolescente vacinada à doença autoimune

Câmara técnica da Saúde fala em renúncia coletiva caso Queiroga não recue na suspensão de vacinação
Ministério da Saúde

Câmara técnica da Saúde fala em renúncia coletiva caso Queiroga não recue na suspensão de vacinação