Queimadas triplicam atendimentos de saúde em Rondônia

Fumaça que provoca um nevoeiro persistente também atrapalha o tráfego de veículos e desvia voo

Imagens mostram queimadas em RondôniaImagens mostram queimadas em Rondônia - Foto: Ricardo Honorato/Arquivo/Folhapress

Desde o início de agosto, Porto Velho, capital de Rondônia, vem sendo tomada por uma "neblina" causada pela fumaça de queimadas na cidade, no interior e até na Bolívia e Argentina, que já provocou desvios de avião, triplicou atendimentos na saúde e gerou dificuldades no trânsito.

Segundo o setor de meteorologia da Sedam (Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental), a escuridão que tomou conta do céu de São Paulo na tarde da segunda-feira (19) teve contribuição da fuligem resultante das queimadas na Amazônia.

Leia também:
Papa pede a líderes do mundo que salvem a Amazônia
Por aumento de desmate, Alemanha suspende parte de verba que iria para a Amazônia


"Existe um transporte natural de umidade da Amazônia para o Sudeste do país. Tanto que isso regula as chuvas no centro-sul. Então, se tem fumaça com fuligem, também será levada. E esse fenômeno não pode acontecer só em Rondônia ou em Mato Grosso, mas na Bolívia e até Argentina. Se tem queimadas na floresta, haverá muita fumaça em várias regiões do país", disse Fábio Monteiro, meteorologista da Sedam.

Na última sexta-feira (16), o voo 3594 da Latam, que saiu de Brasília com destino a Porto Velho, não conseguiu condições de visibilidade da pista do aeroporto internacional Jorge Teixeira e teve que ser desviado para Manaus (AM). Um voo da Gol, que também partiria para Brasília, foi cancelado no mesmo dia, segundo a Infraero.

As queimadas urbanas e na zona rural também superlotam as unidades de saúde de Porto Velho. No hospital estadual infantil Cosme e Damião, que atende todo o estado, os atendimentos mais que triplicaram por conta de problemas respiratórios devido à fumaça. "Esse período é bem difícil. O tempo seco, aliado à fumaça, causa muitos problemas a elas [crianças], como pneumonia, tosse e secreção. De 1 a 10 de agosto, a média de atendimentos foi de 120 a 130 crianças com problemas respiratórios. Do dia 11 até hoje [20], subiu para 380 casos. Isso se deve à piora do clima", disse o pediatra Daniel Pires, diretor-adjunto do hospital. A orientação é que, ao serem percebidos sintomas nas crianças, pais procurem uma unidade de saúde.

A fumaça que provoca um nevoeiro persistente também atrapalha o tráfego de veículos na BR-364, que liga Rondônia ao restante do país. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, não houve registro de acidentes envolvendo queimadas, mas a atenção deve ser redobrada, pois há muitos incêndios às margens da rodovia.

"Assim como na neblina e na cerração, o motorista deve aumentar a cautela na condução, diminuindo a velocidade e se fazendo visível, por meio do acendimento dos faróis, que é obrigatório na circulação em rodovias. Caso as condições de visibilidade estejam ruins, o mais recomendável é que o motorista encoste seu veículo em algum lugar seguro e aguarde uma melhoria para, então, seguir viagem com segurança", disse o inspetor da polícia Max Cabral.

Segundo o Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia), desde 6 de junho, ou seja, há mais de dois meses, não chovia em Porto Velho. Na segunda-feira (19), a precipitação atingiu a maioria da cidade à tarde e à noite, mas nesta terça-feira (20) a neblina causada pela fumaça das queimadas continuou.

Veja também

75% dos eleitores em São Paulo são contra volta às aulas, diz Datafolha
CAPITAL

75% dos eleitores em São Paulo contra volta às aulas, diz Datafolha

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada
Futebol

Jogadores trintões dominam lista de artilheiros do país na temporada