Raquel Dodge: paralisação de caminhoneiros atinge direitos fundamentais

"É certo que há o direito à greve, direito ao protesto e à reivindicação, mas também há responsabilidade por abuso na atuação que possa resultar em prejuízos para indivíduos, para grupos e para a coletividade, notadamente nas áreas de serviço público e de

Raquel Dodge insistiu, em manifestação ao STF, que Eduardo Cunha continue preso Raquel Dodge insistiu, em manifestação ao STF, que Eduardo Cunha continue preso  - Foto: Divulgação

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge disse, nesta terça-feira (29) que a crise provocada pela paralisação dos caminhoneiros atinge direitos fundamentais. "Deixou de ser apenas uma crise de abastecimento, mas é uma crise que já atinge os direitos fundamentais", disse Dodge, ao anunciar a criação de um comitê para acompanhar a atuação do MPF (Ministério Público Federal) no caso.

O objetivo, segundo a procuradora-geral, é verificar a prática de crimes federais que afetem serviços públicos e de utilidade pública. De acordo com Dodge, a instituição está focada em coibir abusos e assegurar o respeito a direitos humanos.

Leia também:
Paralisação de caminhoneiros acabou, diz Padilha
Petrobras e AGU querem que TST julgue greve de petroleiros ilegal

"É certo que há o direito à greve, direito ao protesto e à reivindicação, mas também há responsabilidade por abuso na atuação que possa resultar em prejuízos para indivíduos, para grupos e para a coletividade, notadamente nas áreas de serviço público e de utilidade pública", disse Dodge.

As declarações foram feitas durante sessão do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), presidido por ela.

Veja também

Sociedades médicas se mobilizam contra procedimentos estéticos ilegais
SAÚDE

Sociedades médicas se mobilizam contra procedimentos estéticos ilegais

Morte súbita é responsável por cerca de 320 mil mortes no Brasil
Saúde

Morte súbita é responsável por cerca de 320 mil mortes no Brasil