Rebelião em presídio de Manaus chega ao fim

Agentes carcerários feitos reféns foram libertados após negociação entre os líderes da rebelião e autoridades

Procuradoria Geral do EstadoProcuradoria Geral do Estado - Foto: divulgação

Chegou ao fim, após mais de 17 horas, a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM). As autoridades estaduais ainda não divulgaram informações oficiais, mas a imprensa local fala em dezenas de mortos e feridos. Uma entrevista está agendada para as 12 horas (horário de Brasília) de hoje (2).

Leia mais: Rebelião no maior presídio do AM tem ao menos 50 mortos, diz governo Agentes carcerários feitos reféns foram libertados após negociação entre os líderes da rebelião e autoridades. Procurada pela Agência Brasil, a empresa contratada pelo governo para administrar a unidade, Umanizzare, não comentou a situação. Segundo o site da empresa, o complexo abriga 1.072 internos.

A rebelião começou no início da tarde de domingo (1º). Durante entrevista coletiva concedida poucas horas após o começo do tumulto, o secretário estadual de Segurança Pública, Sérgio Fontes, afirmou que pelo menos seis detentos tinham sido mortos e dez funcionários da Umanizzare, além de vários presos, tinham sido feitos reféns. O próprio secretário repetiu a informação de que corpos decapitados tinham sido atirados para fora da unidade.

As autoridades estaduais ainda vão investigar as causas do motim, mas a suspeita é que a rebelião foi motivada por uma disputa entre integrantes de duas facções criminosas rivais.

 

Veja também

Polícia cumpre mandado de prisão contra ex-vereador do Rio Cristiano Girão
CASO MARIELLE FRANCO

Polícia cumpre mandado de prisão contra ex-vereador do Rio Cristiano Girão

Campanha nacional contra Bolsonaro marca nova manifestação para 7 de setembro
Protesto

Campanha nacional contra Bolsonaro marca nova manifestação para 7 de setembro