Recuperação do viaduto que cedeu em São Paulo vai demorar até 5 meses

Recuperação do viaduto que cedeu em São Paulo terá custo total de R$ 30 milhões

A pista expressa da Marginal Pinheiros está fechada desde o incidente, no sentido Castelo BrancoA pista expressa da Marginal Pinheiros está fechada desde o incidente, no sentido Castelo Branco - Foto: Divulgação/TV Brasil

A prefeitura de São Paulo informou que será de cinco meses o prazo para a conclusão das obras de recuperação do viaduto na interligação da pista expressa na Marginal Pinheiros, próximo à Ponte do Jaguaré, que cedeu no dia 15 de novembro. O custo total será de R$ 30 milhões.

Leia também
Viaduto cede na pista expressa da Marginal Pinheiros, em São Paulo
Prefeitura de São Paulo inicia testes para reerguer viaduto
Viaduto para de ceder e passa por testes em São Paulo


O prefeito Bruno Covas disse que o montante poderá ser ressarcido futuramente pelo governo estadual, mas que, em princípio, o valor será desembolsado pela própria prefeitura. A empresa contratada, em caráter emergencial, foi a JZ Engenharia e Comércio. “A prefeitura tem assumido toda a responsabilidade sobre as previdências que estão sendo tomadas no viaduto”, declarou.

Causas
As causas do rompimento da ponte foram apontadas pela prefeitura como uma composição de fatores. Foram identificados fadiga do concreto e defeitos ocultos (não identificáveis em inspeção visual), como a ruptura na parte intermediária de uma viga, que dobrou e se apoiou sobre o pilar. “Vamos reformar os pilares, reparar a viga e fazer o reparo no tabuleiro”, disse Vitor Aly, secretário municipal de Infraestrutura e Obras.

De acordo com o secretário, a obra mais importante e que demandará maior tempo é o reparo do tabuleiro. Nele, algumas das fissuras, que chegavam a 5 milímetros, terão de receber preenchimento com resina. “Vamos remover o concreto comprometido, reconstituir a lage de fundo e reforçar com fibras de carbono”, disse.

Após ser erguido, no último dia 2, segundo o secretário, foi possível notar que o viaduto apresentava desgaste desigual. “Depois que colocamos os macacos hidráulicos, a gente percebeu que houve encurtamento não simétrico do tabuleiro. Em um dos lados, teve um encurtamento maior que no outro. No projeto inicial, era para [o tabuleiro] se deformar por igual e simetricamente”, explicou o secretário. Além disso, o ponto que cedeu era onde havia mais tensão de impacto.

A prefeitura descartou a necessidade de demolição do viaduto, já que demoraria até três anos para que um novo viaduto ficasse pronto. Além disso, demandaria processo licitatório e os gastos estimados seriam de R$ 70 milhões. O prefeito reforçou que serão feitos laudos para avaliar a situação de 185 pontes e viadutos em São Paulo, a fim de evitar novos acidentes.

Veja também

Internado com Covid-19, idoso reencontra cachorrinha de estimação em despedida emocionante
Folha Pet

Internado com Covid-19, idoso reencontra cadela de estimação em despedida emocionante

Brasil chega a mais de 220 mil mortos pelo novo coronavírus
Covid-19

Brasil chega a mais de 220 mil mortos pelo novo coronavírus