Roraima, Amazonas e Rio Grande do Norte pedem Forças Armadas em prisões

Cerca de mil militares vão trabalhar na varredura das celas em busca de armas, drogas e celulares

Forças ArmadasForças Armadas - Foto: Agência Brasil

O Palácio do Planalto informou, na noite desta quarta-feira (18), que os governos de Roraima, Amazonas e Rio Grande do Norte solicitaram oficialmente ao governo federal a atuação das Forças Armadas dentro de presídios estaduais.

Saiba mais:
» Mil homens das Forças Armadas vão atuar nos presídios


Autorizada na terça-feira (17) pelo presidente Michel Temer pelo prazo de um ano, a medida emergencial tem como objetivo aplacar parte da crise penitenciária que se agravou nas últimas semanas, após rebeliões que terminaram em confrontos e massacres e a morte de mais de 100 detentos.

Pelo menos 1 mil militares vão trabalhar, sob demanda dos governos locais, na varredura das celas em busca de armas, drogas e celulares.

Nesta quarta-feira, após se reunirem com Temer, os governadores de nove estados das regiões Norte e Centro-Oeste assinaram um pacto federativo dando aval para a atuação do Exército, da Marinha e da Aeronáutica nos presídios, mas nenhum deles havia formalizado o pedido.

Segundo a assessoria de imprensa da Presidência, os ofícios com as solicitações foram encaminhados na tarde desta quarta-feira ao presidente. De acordo com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, as forças estarão prontas para entrar em ação no prazo de oito a dez dias e o efetivo poderá ser ampliado conforme a demanda dos estados.

Veja também

Juros para famílias caem ao menor nível histórico em 2020, diz BC
Economia

Juros para famílias caem ao menor nível histórico em 2020, diz BC

Desemprego chega a 14,1% entre setembro e novembro de 2020
Economia

Desemprego chega a 14,1% entre setembro e novembro de 2020