A-A+

Sem espaço no IML, Manaus usa caminhão frigorífico para armazenar corpos de vítimas

A dificuldade de armazenamento dos corpos está acontecendo após massacres que ocorreram nos presídios de Manaus

Portão do CompajPortão do Compaj - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Após uma onda de violência que deixou ao menos 55 mortos em presídios de Manaus, o governo do Amazonas tem tido dificuldade em armazenar e identificar corpos de vítimas do massacre. Nesta terça-feira (28), foi anunciada a transferência de nove presos para fora do estado.

O grande número de detentos mortos no Instituto Médico Legal (IML) para identificação levou o Departamento de Polícia Técnica Científica (DPTC) a utilizar um caminhão frigorífico para armazenar os corpos.

De acordo com a diretora do IML, Sanmya Leite, a capacidade do instituto é para 20 corpos, mas no momento há 44 aguardando identificação, sendo 39 deles oriundos das quatro unidades prisionais do Amazonas onde foram registradas 40 mortes na segunda-feira.

Desses 40, somente um foi identificado e liberado. Os demais passaram pela necropsia e aguardam a conclusão do processo de identificação, informou Leite.
"Os familiares já foram contatados e agora aguardamos apenas a identificação, que será por meio da papiloscopia ou, se preciso, odontologia ou exame de DNA", explicou a diretora.

Leia também:
Governo do Amazonas pede transferência de nove presos após massacre em Manaus
Amazonas Energia é arrematada em leilão


Os 15 corpos de presos mortos durante uma briga no Compaj no último domingo (26) já foram identificados, todos por meio de papiloscopia, e liberados. Segundo a diretora do IML, dez deles tiveram como causa da morte as perfurações feitas por estoques produzidos a partir de escovas de dente e outros cinco foram vítimas de asfixia mecânica. A causa da morte dos outros 40 ainda não foi divulgada.

Para reforçar a segurança na capital amazonense, o governo federal enviará cerca de cem homens até sexta-feira (31), para compor uma Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária.

Entre domingo e segunda-feira, 55 presos foram mortos por companheiros em quatro unidades prisionais de Manaus. A violência é atribuída a disputas internas da facção Família do Norte (FDN), que passou a controlar o tráfico de drogas no Amazonas desde massacrou integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), no início de 2017, também dentro de presídios.

Ao G1, o governador Wilson Lima (PSC) afirmou que irá providenciar a empresa Umanizzare, responsável pela administração dos presídios de Manaus, ainda neste ano, por meio de um novo processo licitatório.

Após uma reunião com o comando da cúpula da segurança no estado, ele esteve no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e no Instituto Penal Antônio Trindade (Impat), onde ocorreu a maior parte das mortes.

Veja também

Ursa parda do Parque Dois Irmãos será transferida para santuário ecológico em São Paulo
Folha Pet

Ursa parda do Parque Dois Irmãos será transferida para santuário ecológico em São Paulo

MTST e frente Povo Sem Medo ocupam prédio da Bolsa de Valores de SP em protesto contra a fome
Brasil

MTST e frente Povo Sem Medo ocupam prédio da Bolsa de Valores de SP em protesto contra a fome