Senado aprova em definitivo projeto de doação de refeições não vendida

Empresas poderão doar alimentos próprios para o consumo

Compras em supermercadoCompras em supermercado - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

O Senado aprovou nesta terça-feira (2) o Projeto de Lei (PL) que regulamenta a doação de alimentos excedentes por parte de supermercados, restaurantes e outros estabelecimentos. O texto, de autoria do senador Fernando Collor (Pros-AL), já havia passado pelo Senado, sofreu alterações na Câmara e voltou para nova apreciação. Agora, o projeto segue para sanção presidencial.

Empresas, hospitais, supermercados, cooperativas, restaurantes, lanchonetes e demais estabelecimentos que forneçam alimentos preparados prontos para o consumo poderão doar os alimentos não comercializados se estiverem dentro do prazo de validade e em condições de conservação especificadas pelo fabricante, quando aplicável.

A doação pode ser de alimentos in natura, produtos industrializados e refeições prontas para o consumo. Pelo texto, essa doação poderá ser feita diretamente, em colaboração com o poder público, ou por meio de bancos de alimentos e outras entidades beneficentes de assistência social certificadas na forma da lei. Também poderá ser realizada por entidades religiosas.

Leia também:
Senado quer aproveitar coronavírus para votar marco regulatório do saneamento
Senado adia votação diante de divergências em projeto de lei sobre fake news


O relator do PL, Jayme Campos (DEM-MT), retirou do projeto um dispositivo inserido na Câmara que incluía a doação de alimentos para cães e gatos em situação de abandono. O relator justificou sua decisão afirmando que a lei deveria abranger outros animais domésticos, mas por não ser possível tal adaptação a essa altura da tramitação, excluiu todo o artigo.

O relator também retirou do texto final a criação do Certificado de Boas Práticas (CBP), a ser concedido às empresas doadoras de alimentos; outro dispositivo incluído pelos deputados. Outro trecho incluído pela Câmara versava que governo federal deveria comprar alimentos prioritariamente de produtores familiares e pescadores artesanais durante a vigência da pandemia de Covid-19. Inicialmente, o relator considerou o trecho sem pertinência com o projeto. Mas após acordo com o PT e a Rede, ele reinseriu os agricultores familiares no texto.

Veja também

Cientistas encontram nova espécie de macaco brasileiro em região de Mato Grosso
Descoberta

Cientistas encontram nova espécie de macaco brasileiro em região de Mato Grosso

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'
CPI da Covid

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'