A-A+

Senador pede quebra dos sigilos fiscais e telemáticos de testemunha que mentiu a CPMI

O pedido não tem prazo para ser analisado e votado no colegiado

Fake NewsFake News - Foto: Agência Brasil/Marcello Casal Jr

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) requereu a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático ligados a Hans River do Rio Nascimento. O pedido foi feito à CPMI das Fake News nesta terça-feira (18) e não tem prazo para ser analisado e votado no colegiado.

Hans é ex-funcionário da Yacows, agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, e mentiu ao colegiado em depoimento à comissão na semana passada. Ele insinuou ainda que a repórter da Folha de S.Paulo queria trocar informações por sexo.

Em dezembro de 2018, reportagem da Folha de S.Paulo, baseada em documentos da Justiça do Trabalho e em relatos do depoente Hans, mostrou que uma rede de empresas, entre elas a Yacows, recorreu ao uso fraudulento de nome e CPFs de idosos para registrar chips de celular e garantir o disparo de lotes de mensagens em benefício de políticos.

Leia também:
Veja quais foram as mentiras à CPMI de ex-funcionário de empresa de disparo em massa
CPMI das Fake News discute crimes na internet

O Código Penal estipula que fazer afirmação falsa como testemunha em processo judicial ou inquérito é crime, com pena prevista de 2 a 4 anos de reclusão, além de multa. Na condição de testemunha, Hans se comprometeu em falar a verdade à comissão.

O regimento do Senado diz que a inquirição de testemunhas em CPIs segue o estabelecido na legislação processual penal. Após o depoimento, a relatora da CPI, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), já havia pedido ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras, a abertura de uma investigação contra River por falso testemunho no depoimento.

No pedido, a deputada diz que Hans cita informações que, posteriormente, "viriam a se mostrar inconsistentes ou inverídicas". Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro insultou, com insinuação sexual, a jornalista da Folha de S.Paulo.

"Olha a jornalista da Folha de S.Paulo. Tem mais um vídeo dela aí. Não vou falar aqui porque tem senhoras aqui do lado. Ela falando: 'eu sou (...) do PT', certo? O depoimento do Hans River, foi final de 2018 para o Ministério Público, ele diz do assédio da jornalista em cima dele", diz o presidente, para em seguida, aos risos, fazer o insulto com insinuação sexual.

"Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]. Lá em 2018 ele [Hans] já dizia que ela chegava e ia perguntando: 'o Bolsonaro pagou pra você divulgar pelo Whatsapp informações?'. E outra, se você fez fake news contra o PT, menos com menos dá mais na matemática, se eu for mentir contra o PT, eu tô falando bem, porque o PT só fez besteira."

"Tem um povo aqui [em referência a um grupo de simpatizantes], alguém recebeu no zap uma matéria qualquer que suspeitou pra prejudicar o PT e me beneficiar? Ninguém recebeu nada. Não tem materialidade, zero, zero, zero. Você não precisa mentir pra falar sobre o PT, os caras arrebentaram com Petrobras, fundo de pensões, BNDES..."

A Folha de S.Paulo divulgou a seguinte nota sobre o insulto de Bolsonaro: "O presidente da República agride a repórter Patrícia Campos Mello e todo o jornalismo profissional com a sua atitude. Vilipendia também a dignidade, a honra e o decoro que a lei exige do exercício da Presidência".

Veja também

Brasil recebe 1,3 milhão de doses da vacina contra Covid da Pfizer
Imunizante

Brasil recebe 1,3 milhão de doses da vacina contra Covid da Pfizer

Cães e gatos podem ter vírus da Covid-19, mas não transmitem a doença
Pandemia

Cães e gatos podem ter vírus da Covid-19, mas não transmitem a doença