Similar ao Uber, aplicativo Cabify chega a Belo Horizonte

O custo da corrida é calculado pela distância percorrida e o valor não aumenta em caso de atrasos

Bell MarquesBell Marques - Foto: Divulgação

Similar ao Uber, o aplicativo Cabify começou a funcionar nesta terça-feira (11) em Belo Horizonte. A capital mineira é a quarta cidade brasileira a receber o serviço, depois do Rio de Janeiro, de São Paulo e Porto Alegre. De origem espanhola, o serviço já opera em várias cidades da Europa. O Cabify diz praticar um valor intermediário entre o Uber e o táxi. Nos primeiros cinco quilômetros (km), é cobrada uma tarifa de R$ 2,50 por km rodado. Depois disso, o valor cai para R$ 1,95 por km rodado. Acima dos 25 km, a tarifa sobe para R$ 3 por km rodado.

Como o custo da corrida é calculado sempre pela distância percorrida, o valor não aumenta em caso de atrasos por congestionamento, como no serviço de táxi, por exemplo. O aplicativo espanhol também não varia as tarifas conforme a demanda de passageiros no horário, como faz o Uber. Em nota, o Uber informou que “vê a competição como algo positivo, já que permite ao usuário e ao motorista parceiro terem mais escolhas sobre como se locomover pelas cidades e gerar renda.”

Liminares

Em setembro, após protesto contra o Uber na Prefeitura de Belo Horizonte, taxistas foram recebidos pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), responsável pela gestão do trânsito e transporte na capital mineira. Os profissionais exigem a fiscalização do transporte feito por meio do Uber com base na Lei Municipal 10.900/2016, sancionada pelo prefeito Marcio Lacerda no início deste ano.

A legislação estabelece que aplicativos voltados para o transporte remunerado de passageiros só podem operar se usarem mão de obra de motoristas autorizados pelo governo municipal, ou seja, o Uber só poderia funcionar se seus condutores fossem taxistas credenciados, como já ocorre em aplicativos como o 99Táxis e o Easy Táxi. No entanto, segundo a BHTrans, há várias liminares impedindo o município de fiscalizar o Uber, o qie impede que a lei municipal seja aplicada antes de decisão final da Justiça. A prefeitura agora avalia se as liminares em vigor também protegem o serviço recém-iniciado pelo Cabify ou se são exclusivas para o Uber.

Veja também

Instituto Butantan diz se espantar com fala de Bolsonaro sobre não comprar 'vacina chinesa'
Coronavírus

Instituto Butantan diz se espantar com fala de Bolsonaro sobre não comprar 'vacina chinesa'

Marcos Pontes exalta vacinas brasileiras e minimiza polêmica sobre a CoronaVac
Coronavírus

Marcos Pontes exalta vacinas brasileiras e minimiza polêmica sobre a CoronaVac