STF homologa acordo que destina fundo da Lava Jato para educação e Amazônia

O acordo prevê que R$ 1,6 bilhão seja gasto com educação, sendo R$ 1 bilhão destinado ao Ministério da Educação

Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal FederalAlexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, homologou nesta terça-feira (17) o acordo que define a destinação dos recursos do fundo da Lava Jato para educação e proteção da Amazônia.

O acordo prevê que R$ 1,6 bilhão seja gasto com educação, sendo R$ 1 bilhão destinado ao Ministério da Educação para ações relacionadas à educação infantil e o restante divido entre o Programa Criança Feliz, bolsas de pesquisa, projetos de inovação e empreendedorismo e ações socioeducativas.

Para ações de prevenção, fiscalização e combate de desmatamento e incêndios florestais, será destinado R$ 1,06 bilhão do fundo da Lava Jato.

Leia também:
Operação de combate a incêndios na Amazônia pode ser prorrogada
Fundo de R$ 2,6 bilhões da Lava Jato irá para Amazônia e educação
Nos EUA, chanceler brasileiro reforça soberania da Amazônia


O fundo, criado a partir de acordo entre a Petrobras e a força-tarefa da Lava Jato, foi alvo de polêmica. Os valores, de cerca de R$ 2,6 bilhões, foram bloqueados por Moraes após a Procuradoria-Geral da República contestar sua criação, que seria gerido pela força-tarefa da Lava Jato.

Participaram do acordo sobre a destinação dos recursos a Procuradoria-Geral da República, a Advocacia-Geral da União, e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado (DEM-AP).

Veja também

SES-PE segue Anvisa e orienta suspensão da AstraZeneca para grávidas; Recife diz que só usa Pfizer
Vacina contra Covid-19 em Pernambuco

SES-PE segue Anvisa e suspende AstraZeneca para grávidas; Recife diz que só usa Pfizer

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC
Economia

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC