Técnica pós-bariátrica reduz tempo de cirurgia

A vantagem de nossa técnica é que podemos realizar várias cirurgias na mesma pessoa ao mesmo tempo

Roberto Asfora assinou sua ficha de filiação ao PSCRoberto Asfora assinou sua ficha de filiação ao PSC - Foto: divulgação

 

Uma técnica cirúrgica pós-bariátrica desenvolvida no Sistema Único de Saúde (SUS) mostrou-se eficaz na redução do tempo de plástica reparadora para pacientes submetidos à redução de estômago. Com o novo método, o procedimento cirúrgico que costuma levar de oito a dez horas pode ser feito em até quatro horas.

A recuperação pós-cirúrgica, que demorava dois meses, também pode ser reduzida para 10 a 15 dias. Além disso, o risco cirúrgico é menor e complicações que exigiam transfusões foram reduzidas quase a zero.

A nova técnica foi desenvolvida no Hospital Federal do Andaraí, na zona norte do Rio de Janeiro, pelo chefe do serviço de cirurgia plástica, Carlos Del Piño Roxo, e sua equipe. O estudo foi tema do Congresso Mundial da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica, em Quioto, no Japão, na última semana.

Segundo Roxo, uma das grandes diferenças da técnica é a previsão de todo o corte para as quatro cirurgias simultâneas que ocorrem, delimitando estritamente o tecido que está sobrando no corpo dos pacientes, sem danificá-lo, como ocorre na cirurgia pós-bariátrica tradicional.

“A cirurgia pós-bariátrica melhora a qualidade da vida das pessoas, é considerada uma cirurgia reparadora. A vantagem de nossa técnica é que podemos realizar várias cirurgias na mesma pessoa ao mesmo tempo, o que facilita a recuperação, diminui o custo para o SUS e reduz consideravelmente a fila, uma vez que esses pacientes necessitam de diversas cirurgias”, explicou o médico.

Na técnica tradicional, os médicos puxam tecidos durante a cirurgia, sem a delimitação planejada, o que leva a falhas, como os lados do abdômen ficarem desproporcionais, por exemplo.

Desde 2000, o Hospital Federal do Andaraí realiza cirurgias pós-bariátricas pelo SUS e mais de 670 pacientes já foram submetidos à nova técnica cirúrgica. Por ano, são feitas 50 cirurgias desse tipo na unidade.

 

Veja também

Casos de Covid-19 na Rocinha podem ser 62 vezes maiores que o oficial
Subnotificação

Casos de Covid-19 na Rocinha podem ser 62 vezes maiores que o oficial

Governo vai apoiar 90 projetos de pesquisa sobre combate à Covid-19
Ciência

Governo vai apoiar 90 projetos de pesquisa sobre combate à Covid-19