[TESTE] Sobe para 61 o número de mortes em decorrência de febre amarela silvestre em SP

Boletim do governo estadual, divulgado na sexta-feira passada (26), indicava a ocorrência de 134 casos da doença

População forma filas para a vacinação contra a febre amarelaPopulação forma filas para a vacinação contra a febre amarela - Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

A febre amarela silvestre matou 61 pessoas no estado de São Paulo desde 2017 até o momento, conforme informações divulgadas neste sábado (2) pela Secretaria de Saúde do estado. Entre os mortos estão um morador de Minas Gerais e outro de Santa Catarina, ambos infectados em Mairiporã, município da região metropolitana da capital. No mesmo período, houve 163 casos autóctones (contraídos no próprio estado) confirmados da doença.

Leia também
Sobe para 12 número de mortes confirmadas por febre amarela no Rio de Janeiro
Casos de febre amarela crescem 64% em uma semana
Recife terá ações preventivas contra febre amarela no Carnaval
Sobe para nove número de mortos por febre amarela no Rio


O boletim do governo estadual, divulgado na sexta-feira passada (26), indicava a ocorrência de 134 casos da doença, sendo que 52 resultaram em morte. Desde 2017, 58,8% das infecções por febre amarela silvestre foram contraídas em Mairiporã, 14,1% em Atibaia e 3% em Amparo. Essas três cidades respondem por três quartos dos casos de febre amarela silvestre no estado e já contam com ações de vacinação em curso desde o ano passado.

Não há casos confirmados de febre amarela na capital paulista. Não há também casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942.

Neste sábado (3), está prevista a realização do Dia D de vacinação contra febre amarela no estado. Cerca de 900 postos estarão abertos, incluindo mais de 150 postos volantes montados nas regiões do Vale do Paraíba, litoral norte e Baixada Santista.

Veja também

Facebook liga assessor do Planalto a ataques a opositores de Bolsonaro
Bolsonaro

Facebook liga assessor do Planalto a ataques a opositores de Bolsonaro

Médicos relutam em usar cloroquina contra Covid-19 em aldeias indígenas do Brasil
Coronavírus

Médicos relutam em usar cloroquina contra Covid-19 em aldeias indígenas do Brasil