Tiroteio na Rocinha mata PM e morador, e RJ tem três policiais mortos em um dia

Nas redes sociais, moradores relataram outros confrontos em diferentes localidades da comunidade após as mortes

Rocinha, no Rio de JaneiroRocinha, no Rio de Janeiro - Foto: Divulgação

Um policial militar e um morador foram mortos na noite desta quarta-feira (21) na Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro. Ambos foram baleados durante um tiroteio iniciado no Largo do Boiadeiro. O PM morto é o terceiro em um único dia: além dele, morreram nesta quarta um sargento na Baixada Fluminense e um cabo na região dos Lagos (este, durante a folga).

O confronto entre traficantes e policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) teve início por volta das 20h15. De acordo com policiais do 23º BPM (do bairro do Leblon), as vítimas foram socorridas para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, mas não resistiram. O morador morto foi identificado como Antonio Ferreira da Silva, conhecido como Marechal na comunidade. Ele tinha uma barraca na região conhecida como Valão. O nome do PM ainda não foi divulgado.

Leia também:
Temer irá destinar R$ 1 bilhão para intervenção no Rio
PM mata duas pessoas em mais um dia de ação contra o tráfico na Rocinha


Nas redes sociais, moradores relataram outros confrontos em diferentes localidades da Rocinha após as mortes. O tiroteio recomeçou no Largo do Boiadeiro pouco antes das 21h10 e durou cerca de 20 minutos. O policial da UPP da Rocinha foi o terceiro militar morto nesta quarta. Pela manhã, o sargento Maurício Chagas Barros, 37, foi assassinado durante uma operação no Gogó da Ema, em Belford Roxo, Baixada Fluminense.

Além deles, o cabo Luciano Batista Coelho, 39, morreu no Largo Santo Antônio, em Cabo Frio, na região dos Lagos. Ele tentou impedir um assalto numa loja de departamentos por volta das 19h e foi atingido por disparos dos criminosos. Coelho estava de folga e trabalhava como segurança de uma farmácia na região. Com as três mortes, o Rio contabiliza 30 policiais militares mortos em 2018.

Por causa do confronto, o túnel Zuzu Angel ficou fechado por mais de meia hora. O túnel liga a Gávea até São Conrado. Desde o decreto de intervenção federal na segurança pública do Rio, o Exército ainda não fez nenhuma operação na comunidade, uma das maiores da zona sul da cidade.

Esse é mais um dia de violência no Rio em meio à intervenção federal na segurança pública do estado. A medida, inédita, foi anunciada pelo presidente Michel Temer (MDB) em 16 de fevereiro, com o apoio do governador Luiz Fernando Pezão, também do MDB. Temer nomeou como interventor o general do Exército Walter Braga Netto, que atua como chefe das forças de segurança do Estado, como se acumulasse a Secretaria da Segurança Pública e a de Administração Penitenciária, com PM, Civil, bombeiros e agentes carcerários sob o seu comando.

Veja também

Brasil soma mais 26.979 novos casos e 432 mortes por Covid-19 nas últimas 24h
CORONAVÍRUS

Brasil soma mais 26.979 novos casos e 432 mortes por Covid-19 nas últimas 24h

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes
Diplomacia

Bolsonaro diz que pediu menos restrições para entrada de estudantes nos EUA