A-A+

Tribunais de Contas têm minoria de mulheres e negros

Segundo o estudo, há diferença significativa de raça, por exemplo, entre os que ingressam na carreira por indicação política e os que são aprovados em concurso público

Sede do Tribunal de Contas do Estado de PernambucoSede do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Pouco conhecidos pela sociedade em comparação com o Ministério Público e o Judiciário, os Tribunais de Contas têm como principal função tornar a gestão pública mais eficaz e transparente por meio da fiscalização da aplicação de verbas e políticas públicas.

Essas cortes compõem um sistema de controle nacional independente e sem subordinação a outros Poderes. São 33 Tribunais de Contas em funcionamento no país com 235 magistrados e 125 substitutos, em um total de 360 julgadores em atuação.

Uma pesquisa inédita da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) traçou o perfil desses magistrados.

Segundo o estudo, há diferença significativa de raça, por exemplo, entre os que ingressam na carreira por indicação política e os que são aprovados em concurso público.

A pesquisa mostra que os homens são larga maioria entre os magistrados (84,6%).
"A política brasileira segue sendo basicamente de domínio masculino, resultado de uma sociedade patriarcal e de um machismo que relega a mulher um espaço que não é esse. Nas indicações políticas, como regra, são homens que indicam outros homens", afirma o sociólogo Marcos Rolim.

Leia também:
Procurador vai ao TCU contra ex-secretário da Casa Civil por voo da FAB
MP de Contas pede a TCU atenção especial a dinheiro da Lava Jato parado no MEC


Ele e a socióloga Daiana Hermann são autores do estudo "Quem são e o que
pensam os conselheiros/ministros dos Tribunais de Contas e seus substitutos".
A pesquisa foi respondida por 34% dos magistrados, com nível de confiança de 95% e margem de erro de 7%.

Os julgadores do TCU são chamados de "ministros" e aqueles que atuam nos demais órgãos são chamados de "conselheiros". Os "substitutos" cobrem ausências de conselheiros e atuam em câmaras com temas específicos.

Há duas maneiras de ingressar na carreira de julgador. Os substitutos passam necessariamente por concurso público. Ministros e conselheiros podem chegar aos cargos de forma mista: por indicação política (Legislativo e Executivo) ou concurso, já que parte das indicações do Executivo deve partir da área técnica.

A maioria dos magistrados (65%) se declarou branca. Há pardos (32,5%), pretos (1,6%) e indígena (0,8%). Para a pergunta "Considerando sua cor/etnia, como o sr. (a) se declara?", há diferença significativa entre os indicados por políticos e os aprovados em concurso público.

Entre os que passaram por concurso, o percentual de negros e indígenas chega a 48,6%, muito próximo da metade, mostrando maior equilíbrio. Entre os indicados políticos, negros e indígenas chegam a 29,5%, enquanto brancos representam 70,5%.

O equilíbrio maior entre os concursados, afirma o sociólogo, ocorre por causa das cotas previstas nos editais. "Certamente as cotas têm alguma responsabilidade e papel nisso. Mas, independentemente delas, o concurso abre uma chance maior de valorização pelo mérito e não por posição de poder."

"O Brasil é um país ainda profundamente marcado pelo racismo, não apenas das pessoas preconceituosas, mas sobretudo do racismo estrutural. Há instituições que sistematicamente reproduzem a exclusão sem se dar conta, dificultando a inclusão de negros", diz Rolim, que é responsável pelo setor de Comunicação do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul.

Além do Tribunal de Contas da União (TCU), que julga as contas federais, existem outros 26 com atribuição estadual e mais um para o Distrito Federal. Há também dois tribunais que fiscalizam as prefeituras de São Paulo e Rio de Janeiro, além de três tribunais responsáveis unicamente pelas contas municipais das prefeituras dos estados da Bahia, Goiás e Pará.

"No mundo inteiro, os Tribunais de Contas estão se transformando em órgãos de boa governança, indicando medidas, sugerindo soluções e fiscalizando a aplicação do dinheiro público", afirma Rolim.

Os magistrados também responderam sobre temas atuais ligados à política.
A maioria (65%) concorda que o Brasil vive um momento histórico em que "precisa reafirmar as conquistas democráticas, sob pena de retrocessos históricos e do risco de um novo período autoritário"; 17,9% acham que "algumas das conquistas do processo de democratização precisam ser relativizadas para que se garanta mais segurança às pessoas", e 17,1%, que "faltam elementos para avaliar".

Não houve diferença significativa entre os substitutos e demais magistrados. Questionados sobre o papel da Lava Jato, 73,2% dos julgadores responderam que a operação tem "cumprido um papel positivo, a par de eventuais erros"; 14,6% acham que "tem cumprido papel negativo, a par de eventuais acertos", e 12,2% disseram que "faltam elementos para avaliar".

Para Rolim, "a pesquisa evidencia que há uma tensão interna que pode ser muito produtiva. Há conselheiros com noção crítica do próprio funcionamento dos tribunais e que almejam reformas que aperfeiçoem o sistema".

Veja também

Vendaval derruba torres e deixa 13 cidades sem luz no Triângulo Mineiro
CLIMA

Vendaval derruba torres e deixa 13 cidades sem luz no Triângulo Mineiro

Seis corpos são achados após barco turístico naufragar no Pantanal; 1 segue desaparecido
ACIDENTE

Seis corpos são achados após barco turístico naufragar no Pantanal; 1 segue desaparecido