Tribunal cassa patente de oficiais por crime sexual e desvio de alimentos

A decisão, atende pedido da Procuradoria-Geral da Justiça Militar e não cabe recurso

AeronáuticaAeronáutica - Foto: Divulgação

Um capitão da Aeronáutica e um major do Exército foram condenados à perda do posto, da patente e dos vencimentos após serem considerados "indignos para o oficialato" em processos julgados pelo STM (Superior Tribunal Militar).

A decisão, da última quinta-feira (11), atende pedido da Procuradoria-Geral da Justiça Militar. Não cabe recurso.

Nos dois casos, a decisão se baseia em condenações anteriores, no STM, sofridas pelos dois oficiais das Forças Armadas por crime sexual e por desvio de alimentos, respectivamente.

De acordo com o STM, a Constituição autoriza a perda do posto e da patente quando o oficial for condenado à pena superior a dois anos em sentença definitiva e for considerado indigno para o oficialato.

O capitão da Aeronáutica atuava como médico em Florianópolis (SC). O nome dele não foi revelado pelo tribunal. No processo, que corre em segredo de Justiça, constam apenas as iniciais K.A.C..

Segundo a denúncia, o oficial cometeu crime sexual ao consultar uma paciente no Hospital Militar da capital catarinense.

Ainda conforme a denúncia, em 2015 ele foi condenado a três anos de prisão por atentado violento ao pudor e por presunção de violência, que ocorre quando a vítima não pode oferecer resistência.

O ministro José Barroso Filho, relator da representação no STM, considerou, de acordo com a assessoria do tribunal, que o oficial se valeu de sua condição de médico para "satisfazer seus desejos sexuais de forma repulsiva, maculando o nome da instituição a que prestou juramento".

Desvio

Já o major do Exército Marcio Pires de Araújo foi condenado a quatro anos e oito meses de prisão por peculato, que ocorre quando o funcionário público se vale do seu cargo para cometer crimes.

Segundo a denúncia, o oficial aproveitou os cargos que ocupou entre 2003 e 2005 para desviar 80 toneladas de alimentos do depósito do quartel de Santa Maria (RS).
Ainda de acordo com a denúncia, o major mandava subordinados entregarem os alimentos a um amigo, que os repassava ao comércio.

"O peculato denota ao sujeito ativo uma conduta lesiva aos preceitos da ética militar, revelando um comportamento atentatório ao Estatuto dos Militares", declarou, via assessoria, o ministro Carlos Augusto de Sousa, relator da representação no STM.

Outro lado

O advogado Erial Lopes de Haro Silva, que representa o médico da Aeronáutica cujo nome não foi revelado no processo, não falou com a reportagem.

Sua secretária informou que ele tinha palestras o dia inteiro, mas que recebeu o pedido de entrevista. Ele, no entanto, ainda não ligou de volta.

O advogado Guilherme Silveira Arboith, que representa o major do Exército Marcio Pires de Araújo, disse que seu cliente declara ser inocente no caso do peculato.

Segundo o defensor, o major foi condenado "com base em provas frágeis", já que "sequer foi provada a entrada dos alimentos naquela unidade" do Exército.

Por isso, ainda conforme Arboith, foi equivocada a perda do posto e da patente. Nenhum dos oficiais está preso.

Veja também

Sem UTI aérea, ministério só vai transferir de Manaus pacientes de Covid em estado menos grave
Colapso em Manaus

Sem UTI aérea, ministério só vai transferir de Manaus pacientes de Covid em estado menos grave

Contêneires e 64m de comprimento: conheça avião que parte do Recife para buscar vacina na Índia
Avião da vacina

Contêneires e 64m de comprimento: conheça avião que parte do Recife para buscar vacina na Índia