Tropas federais continuam no Rio Grande do Norte

A prorrogação foi pedida pelo governador Robinson Faria, em ofício enviado ao Ministério da Justiça

A autoproclamada presidente da Bolívia, Jeanine ÁñezA autoproclamada presidente da Bolívia, Jeanine Áñez - Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP

 

A pedido do governo do Rio Grande do Norte, o Ministério da Justiça e Cidadania autorizou ontem a prorrogação da permanência da Força Nacional de Segurança Pública por mais 60 dias. Presente no Estado desde o começo de setembro de 2016, a tropa especial vem atuando junto com a Polícia Militar em ações de policiamento ostensivo. A prorrogação foi pedida pelo governador Robinson Faria, em ofício enviado ao Ministério da Justiça, em outubro de 2016. Segundo o governador potiguar, as equipes ainda são necessárias para preservar a ordem e garantir a segurança pública.

Segundo portaria publicada no Diário Oficial da União, o número de profissionais obedecerá ao planejamento definido pelas autoridades estaduais. A presença da Força Nacional no Estado foi solicitada pelo governador Robinson Faria, em agosto de 2016, e autorizada pelo ministério em setembro do mesmo ano. O pedido estadual foi motivado pelo agravamento da situação da segurança pública. Em março de 2015, o governo potiguar decretou estado de calamidade pública no sistema penitenciário. Em julho de 2016, grupos criminosos passaram a organizar uma série de ataques à ônibus e prédios públicos.

As rebeliões, brigas e assassinatos em Manaus (AM) e Boa Vista (RR) colocou em alerta autoridades federais e estaduais que temiam que as ações organizadas por facções criminosas dentro de presídios se alastrassem para outras unidades da federação. O ministro Alexandre de Moraes e secretários estaduais de segurança pública vão se reunir em Brasília, no dia 17, para discutir medidas para enfrentar a violência.

 

Veja também

Pela primeira vez em 2 meses, estado de SP tem queda simultânea de casos, internações e mortes
Coronavirus

Pela primeira vez em 2 meses, estado de SP tem queda simultânea de casos, internações e mortes

Decisão do Supremo torna improvável reconstituição de ações da Lava Jato contra Lula
STF

Decisão do Supremo torna improvável reconstituição de ações da Lava Jato contra Lula