Tropas federais ficam no Rio até 2018, diz Temer em vídeo

Para presidente, atuação no Rio é um dos eventos "mais amplos" e "longos" do Plano Nacional de Segurança e pode ser estendida.

Forças Armadas fazem operação no RioForças Armadas fazem operação no Rio - Foto: Apu Gomes / AFP

O presidente da República, Michel Temer, afirmou neste domingo (6) que a atuação das tropas federais no Rio de Janeiro seguirá até o dia 31 de dezembro deste ano e deve ser ampliada para 2018.

A declaração ocorre um dia após a megaoperação realizada pelas tropas federais no Rio, que mobilizou cerca de 5.000 profissionais das forças de segurança - 3.600 das Forças Armadas - com objetivo de combater o roubo de cargas e o tráfico de drogas. Dois supostos criminosos e um policial morreram.

Em vídeo publicado nas redes sociais, Temer diz que a atuação no Rio é um dos eventos "mais amplos" e "longos" do Plano Nacional de Segurança e que a ação pode ser estendida. "Para o Rio de Janeiro, há uma programação extensa que vai inicialmente até 31 dezembro deste ano e depois será ampliada também para o ano que vem", disse.

Segundo o presidente, reações de criminosos à ação já estavam previstas, mas serão "amplamente" e "fortemente" combatidas. Para ele, a ação das tropas em conjunto com forças estaduais nas últimas semanas teve "grande visibilidade".

"Além da visibilidade, o fato é que já começaram ações concretas para debelar o crime no Rio de Janeiro. E vejo, como pressentimos, que já há reações, e essas reações se deram agora, dar-se-ão adiante e serão amplamente e fortemente combatidas pelas forças federais", disse. 

Leia também:
Operação com três mortos no Rio teve resultado 'razoável', diz Jungmann 

'Razoável'
Neste sábado (5), porém, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que a megaoperação realizada pelas tropas federais no Rio teve saldo não "espetacular", mas "razoável" e que espera que as próximas operações sejam mais bem-sucedidas.

No total, os militares realizaram incursões em seis comunidades nas zonas norte e oeste da cidade. Três delas contavam com UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora). Foram apreendidas três pistolas, duas granadas, quatro rádios, 21 carros e uma motocicleta e entorpecentes. Nenhum fuzil foi capturado.

A operação inaugurou a segunda etapa do plano de segurança do governo federal para o Rio, que deve consumir quase R$ 2 bilhões até o fim de 2018 -R$ 700 milhões serão empenhados até o final deste ano.

Em crise, o Rio vive colapso da segurança pública. O número de mortes violentas no primeiro semestre deste ano (3.457) cresceu 15% em relação ao mesmo período de 2016. Foi o pior primeiro semestre desde 2009 (3.893).

 

Veja também

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V
Covid-19

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V

Importação de insumo de vacinas é questão burocrática, diz Bolsonaro
Vacina

Importação de insumo de vacinas é questão burocrática, diz Bolsonaro