Brasil

Vacina da zika será testada em humanos

Imunizante é parceria entre pesquisadores brasileiros e americanos. Ideia é que testes comecem em junho

Atualmente, vacina está sendo testada em macacosAtualmente, vacina está sendo testada em macacos - Foto: Arthur Mota/arquivo folha

 

Testes em humanos da vacina contra a zika no Brasil podem começar ainda no fim do próximo mês de junho. O imunizante em questão é o que está sendo estudado conjuntamente pelo Instituto Evandro Chagas (IEC), em Belém, e uma universidade do Texas, nos Estados Unidos. O produto que começou a ser desenvolvido em abril de 2016, e já está na fase de experimentação em macacos. A fase de avaliação com os primatas tem previsão de conclusão daqui a quatro meses, em maio.

O presidente do Instituto Evandro Chagas, Pedro da Costa, explicou que várias outras instituições nacionais estão na corrida por tornar a vacina viável e segura, a exemplo de equipes da Fiocruz no Rio de Janeiro e Recife, além da USP de São Paulo.

No cenário internacional, inciativas também acontecem por parte do Instituto Pasteur, que primeiro conseguiu desenvolver a vacina para dengue no mundo. Contudo, segundo informações dele, o imunizante do IEC está mais adiantado. Costa ainda destacou que a vacina pensada pelo Evandro Chagas tem diferenças em relações a outras estratégias. “As outras são vacinas com outras abordagens e que precisariam de mais de uma dose, duas, ou três doses, e talvez até com reforços a cada cinco anos. A nossa proposta é de desenvolvimento de uma vacina que possa com uma única dose proteger para o resto da vida”, afirmou em entrevista a Radioagência EBC, na quarta (25).

O imunizante utilizará o vírus atenuado (vivo, mas enfraquecido). Inicialmente, o público alvo da proteção serão mulheres em idade fértil. A expectativa é que a vacina seja liberada em dois anos. Para avaliar a segurança e eficácia de uma imunizante são feitos vários estudos clínicos que compreende as fases pré-clínica, I, II e III. Tradicionalmente os testes em humanos iniciam-se na fase I, com um grupo pequeno de pessoas sadias. Esta etapa serve para verificar a segurança e imunogenicidade, que é a capacidade de induzir e reagir resposta imunológica. A fase II e a III podem levar entre quatro e oito anos.

 

Veja também

Falsa biomédica presa atraía clientes para procedimentos estéticos no RJ pelas redes sociais
Crime

Falsa biomédica presa atraía clientes para procedimentos estéticos no RJ pelas redes sociais

Homem cria perfil fake nas redes sociais para atrair, estuprar e roubar vítima no Rio de Janeiro
Crime

Homem cria perfil fake nas redes sociais para atrair, estuprar e roubar vítima no Rio de Janeiro