A-A+

Vale diz que é maior a possibilidade de que queda de talude não interfira em barragem em MG

O município entrou em alerta pela possibilidade de que a queda do talude poderia servir de gatilho para o rompimento da barragem Sul Superior, que está a 1,5 km de distância

Capacete visto em um escritório da mineradora Vale, tirada 20 dias após a ruptura de uma barragem de rejeitos no Córrego do FeijãoCapacete visto em um escritório da mineradora Vale, tirada 20 dias após a ruptura de uma barragem de rejeitos no Córrego do Feijão - Foto: Douglas Magno/AFP

Depois de duas semanas de tensão em Barão de Cocais (MG), a cerca de 100 km de Belo Horizonte, a Vale divulgou um comunicado nesta terça-feira (28) dizendo que "há uma grande possibilidade do talude se acomodar dentro da cava [da mina Gongo Soco], sem maiores consequências".

O município entrou em alerta pela possibilidade de que a queda do talude –a parede na parte interna da cava da mina– poderia servir de gatilho para o rompimento da barragem Sul Superior, que está a 1,5 km de distância.

O comunicado foi feito pelo diretor de operações da mineradora, Marcelo Barros. Segundo ele, agora a empresa tem "mais elementos de análise sobre o comportamento do maciço", que mostram "um deslizamento para o fundo da cava".

Leia também:
Vale diz que chance de não ocorrer ruptura em Barão de Cocais é grande 
CPI sobre Brumadinho patina sem obter provas contra cúpula da Vale
Risco em barragem é maior que o informado pela Vale, diz MP

A Vale lembra que, mesmo que a queda do talude não provoque a ruptura da barragem, ela segue em nível de risco 3, que significa ruptura iminente ou já ocorrendo. O aumento do nível ocorreu no final de março.

No dia 8 de fevereiro, cerca de 440 pessoas foram retiradas da zona de auto salvamento –a primeira a ser atingida em um rompimento– e a barragem passou a nível 2. Em março, os moradores da zona de segurança secundária passaram por simulados para saber como agir caso a barragem rompa.

A Vale afirma que, para garantir a segurança de moradores e trabalhadores, não irá fazer obras na cava, mas que segue com as obras de contenção. A maior delas, a construção de uma bacia que ajudaria a reter parte dos rejeitos em um eventual rompimento. Também estão sendo colocadas telas e blocos de granito para diminuir a velocidade da lama.

Segundo a Agência Nacional de Mineração (ANM), nesta terça, a velocidade de deformação do talude passou a ser de 20,4 centímetros por dia na parte inferior e 25,9 centímetros em pontos isolados. No começo do dia, a movimentação era de 19,5 centímetros na parte inferior e 23,9 centímetros nos pontos mais críticos.

HISTÓRICO DO TALUDE

Em manifestação entregue à Justiça de Minas Gerais, a Vale diz que entre 2010 e 2011 começaram a ser identificadas trincas em uma parte do talude. A empresa tomou medidas para estabilizar a área, passou a monitorar a estrutura e contratou uma empresa para elaborar um projeto de estabilização do talude.

Segundo a Vale, "ao que tudo indicava, a questão havia sido devidamente endereçada" e a estrutura registrava deformação média de 15 a 20 centímetros ao ano. O número é maior do que o que vinha sendo passado pela ANM: cerca de 10 centímetros ao ano.

No final de abril, entre os dias 29 e 30, a empresa diz que identificou um movimento atípico na estrutura, mas ainda não tinha certeza se era um novo comportamento ou algo pontual.

Entre os dias 7 e 8 de maio, conseguiram enfim confirmar que a alteração era um novo padrão de comportamento do talude. Os técnicos da Vale identificaram a possibilidade de escorregamento do talude para dentro da cava.

No dia 13, a Vale diz que notificou a Defesa Civil do Estado de Minas Gerais e, no dia 14, as prefeituras e defesas civis dos municípios de Barão dos Cocais e São Gonçalo do Rio Abaixo e a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam).

O documento diz ainda que, com um cenário incerto quanto ao nível de vibração que a queda do talude poderia causar, os próprios técnicos da empresa apontaram que não poderiam afastar "o receio de que este movimento sirva de gatilho" para o rompimento da barragem Sul Superior, que já se encontrava em nível de risco 3.

Veja também

SP atribui causa da morte de adolescente vacinada à doença autoimune
Vacinação em adolescentes

SP atribui causa da morte de adolescente vacinada à doença autoimune

Câmara técnica da Saúde fala em renúncia coletiva caso Queiroga não recue na suspensão de vacinação
Ministério da Saúde

Câmara técnica da Saúde fala em renúncia coletiva caso Queiroga não recue na suspensão de vacinação