Varredura em penitenciária de RR encontra de arma branca a geladeira

Trinta e três presos foram mortos no dia 6 de janeiro na Pamc

Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em RoraimaPenitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima - Foto: Google

Sessenta e uma geladeiras, 31 televisores, 23 fogões de pequeno porte e 136 armas brancas. Essa é parte dos itens encontrados na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista (RR), onde 33 detentos foram mortos em rebelião no início de janeiro.

O balanço da varredura da última sexta-feira (27), que envolveu o Exército, inclui 56 celulares, 12 DVDs e aparelhos de som, três botijões de gás, duas máquinas de tatuagem entre outros itens inusitados (veja a lista completa abaixo).

Na ação, que teve início às 6h, foram utilizados detectores de metais de chão e de parede. Os militares só entraram no complexo após o isolamento dos detentos num pátio, informou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, em coletiva, em Recife (PE), no início da tarde daquele dia.

Com o agravamento da crise no sistema prisional, o presidente Michel Temer reconheceu que a situação ganhou "contornos nacionais" e liberou as Forças Armadas para atuarem dentro das prisões brasileiras.

Outros Estados também formalizaram à Presidência pedidos de entrada do Exército nas penitenciárias. Segundo o ministro, os procedimentos estão em fase de preparação e acontecerão nos próximos dias. De acordo com ele, porém, isso só ocorrerá em penitenciárias sem riscos de conflitos com os detentos.

Segundo o Ministério da Defesa, devem ocorrer varreduras em penitenciárias do Amazonas, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul.

Veja o que foi encontrado
1,2 kg de drogas (maconha e cocaína)
56 aparelhos celulares e dois chips
136 armas brancas
3 cartões de memória USB
25 resistências improvisadas para esquentar água
4 marretas grandes
31 aparelhos de TV
55 antenas improvisadas
12 DVDs e aparelhos de som
23 fogões de pequeno porte
3 balanças de precisão
1 microondas
9 liquidificadores
61 geladeiras
1 garrafa pet com pólvora negra
2 sacos com sementes de maconha
3 botijões de gás
3 sanduicheiras
3 torradeiras
2 máquinas de tatuagem
R$ 607 em dinheiro
8 cartões de crédito
1 carteira de porte de arma vencida

Massacre

Trinta e três presos foram mortos no dia 6 de janeiro na Pamc (Penitenciária Agrícola de Monte Cristo), a maior penitenciária de Roraima, durante uma briga de facções. O caso envolveu presos ligados ao Comando Vermelho e ao PCC (Primeiro Comando da Capital), facção mais numerosa na penitenciária, após alguns deles quebrarem cadeados e invadirem a ala onde ficavam homens de menor periculosidade.

A maior parte das vítimas foi decapitada. Segundo a Sejuc, havia 1.475 presos na unidade quando o massacre aconteceu -a capacidade é para 750 detentos.
Foi o terceiro pior massacre já ocorrido dentro de uma unidade prisional na história do país e aconteceu quatro dias depois de 56 presos serem mortos no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), em Manaus. O pior deles foi em 1992, quando uma ação policial terminou com 111 presos mortos no caso que ficou internacionalmente conhecido como massacre do Carandiru, em São Paulo.

Veja também

Alemanha quer restringir voos com Brasil, Reino Unido, África do Sul e Portugal
Covid-19

Alemanha quer restringir voos com Brasil, Reino Unido, África do Sul e Portugal

Ambev fecha acordo para comprar mil veículos elétricos
Sustentabilidade

Ambev fecha acordo para comprar mil veículos elétricos