Weintraub depõe em inquérito sobre China e é carregado nos braços por apoiadores

Ele pegou o megafone de um dos militantes e fez uma rápida declaração

Abraham WeintraubAbraham Weintraub - Foto: Reprodução

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, compareceu na tarde desta quarta-feira (4) à sede da Policia Federal, em Brasilia, para prestar esclarecimentos no inquérito que apura se ele cometeu crime de racismo ao fazer declarações jocosas contra a China em uma rede social.

O ministro passou cerca de 20 minutos no prédio da PF. Na saída, uma claque o aguardava, e Weintraub foi carregado nos braços.

Ele pegou o megafone de um dos militantes e fez uma rápida declaração: "Gente, eu quero dizer só uma coisa para vocês. A liberdade é a coisa mais importante da democracia, e a primeira coisa que vão tentar calar é a liberdade de expressão".
O inquérito tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) sob a relatoria do ministro Celso de Mello. O titular da Educação recorreu ao tribunal na tentativa de evitar o depoimento, mas não teve sucesso.

Leia também:
Maia diz que Weintraub é 'desqualificado' e não poderia ter assumido Ministério da Educação
Weintraub acumula polêmicas, e MEC segue ausente nas ações relacionadas ao coronavírus


Na PF, optou por entregar uma manifestação por escrito. Na postagem que motivou a investigação, o ministro usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para fazer chacota da China.

"Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu o membro do gabinete do presidente Jair Bolsonaro, trocando a letra "r" por "l", assim como na criação de Mauricio de Sousa.

A mudança das letras ridiculariza o sotaque de muitos asiáticos ao falar português. Ele, posteriormente, apagou a publicação, que também sugeria que a China poderia ter ganhos com a crise da Covid-19.

O grupo de apoiadores de Weintraub chegou à porta da PF bem antes dele. Nesta mesma tarde, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), investigada no inquérito da fake news, também sob a responsabilidade do STF, tinha agendado um depoimento no mesmo local.

A parlamentar preferiu não responder às perguntas dos investigadores alegando não ter tido ainda o acesso ao autos do inquérito.

Veja também

Quase mil cidades temem falta de remédios do kit intubação, diz CNM
Coronavirus

Quase mil cidades temem falta de remédios do kit intubação, diz CNM

Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda (19)
Senado

Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda (19)