São Paulo

Cadeirante morre após ser jogado de viaduto em Bauru, interior de SP

A vítima foi jogada e caiu em um rio raso, batendo em uma estrutura de concreto

Socorristas do Samu constataram a morte do cadeirante ainda no local do crimeSocorristas do Samu constataram a morte do cadeirante ainda no local do crime - Foto: Reprodução/Facebook

O cadeirante Luiz Antonio Barreto, 42 anos, morreu após ser jogado de um viaduto, caindo em um rio raso, por volta das 7h10 de quinta-feira (29), na cidade de Bauru (329 km de SP). Um homem em situação de rua, de 36 anos, foi preso em flagrante por homicídio triplamente qualificado. A altura da queda não foi informada pela polícia.

Câmeras de monitoramento registraram o momento em que o suspeito empurra a vítima, em uma cadeira de rodas, desde a linha férrea até chegar ao viaduto João Simonetti, na rua Treze de Maio. Durante o trajeto, afirma boletim de ocorrência, a vítima foi agredida na região da cabeça com tapas. Chegando ao viaduto, a vítima, que não tinha as duas pernas, foi retirada da cadeira e jogada no rio Bauru.

Por estar com o leito raso, as águas do rio não amorteceram a queda do cadeirante, que morreu ao chocar-se com o concreto que canaliza o veio d'água. "A vítima, em decorrência da gravidade dos ferimentos, começou a sangrar muito e ficou inconsciente, enquanto que populares desconhecidos se aproximaram do local para socorrer a vítima e tentavam conter fisicamente o autor do crime", diz trecho de boletim de ocorrência.



O suspeito, ainda de acordo com o documento policial, chegou a ser agredido "por alguns" dos desconhecidos, mas mesmo assim conseguiu correr por uma rua de terra em direção à favela São Manoel, margeando a linha férrea. Enquanto o morador de rua corria, a Polícia Militar foi acionada e passou a procurar pelo suspeito. O homem foi localizado já perto de outro viaduto, na avenida Nuno de Assis, a cerca de um quilômetro e meio do local de onde jogou o cadeirante. Já preso e algemado, segundo boletim de ocorrência, o suspeito "muito agressivo, dizia aos PMs que matara a vítima [...] admitindo a prática do crime e sua intenção homicida", afirma trecho do documento policial.

Socorristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) constataram a morte do cadeirante ainda no local do crime. A vítima ganhava dinheiro vendendo balas nas ruas da cidade do interior paulista, segundo registrado pela polícia, que também investiga a motivação para o crime.

O caso foi registrado na Central de Polícia Judiciária de Bauru como homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, emprego de meio cruel e à traição.

Veja também

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil
Coronavírus

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças
EUA

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças