Calor mata mais de 20 toneladas de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas

Trabalho deve prosseguir até que cesse a mortandade de peixes

Toneladas de peixes mortos foram retirados da Lagoa Rodrigo de Freitas, no RioToneladas de peixes mortos foram retirados da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio - Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) retirou nessa quinta-feira (20) 21,8 toneladas de peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio de Janeiro. O trabalho começou às 8h da manhã de quinta-feira e deve prosseguir durante toda esta sexta até que cesse a mortandade de peixes. Até as 11h (horário de Brasília), 252 garis e 29 agentes de limpeza urbana foram mobilizados.

A Agência Brasil ouviu o biólogo Mario Moscatelli, que estuda as lagoas do Rio, para entender o fenômeno. Ele avalia que o forte calor na cidade contribuiu para a tragédia ambiental, mas que este não foi o único fator da mortandade.

Leia também:
Onda de calor mata pelo menos 1,5 mil na França
Calor no Ártico derrete cume mais alto da Suécia


Moscatelli disse que caminhou pelo entorno da Lagoa e reparou que parecia que os cardumes estavam em banho-maria. “A água estava quente, extremamente quente, e água quente não é muito bom, porque ela reduz a concentração de oxigênio”, disse.

Em nota divulgada nessa quinta, a Secretaria de Conservação do Município do Rio (Seconserva) informou que os órgãos ambientais estão em alerta e confirmou a redução dos níveis de oxigênio na água.

Veja também

Quatro em dez alunos pensaram em parar os estudos devido à pandemia
Educação

Quatro em dez alunos pensaram em parar os estudos devido à pandemia

Hospital de Salgueiro recebe novas estruturas e abrirá leitos de UTI neonatais e pediátricos
Sertão

Hospital de Salgueiro recebe novas estruturas e abrirá leitos de UTI neonatais e pediátricos