Câmara aprova projeto que facilita divórcio de vítima de violência

A proposta também garante às vítimas de violência o direito à assistência jurídica

Violência domésticaViolência doméstica - Foto: Marcos Santos/USP

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (3) proposta que altera a Lei Maria da Penha para facilitar o processo de separação das vítimas de violência doméstica. Segundo o texto, o juiz responsável pela ação de violência doméstica também poderá decretar o divórcio ou a dissolução da união estável a pedido da vítima. A matéria agora segue para sanção presidencial.

Os deputados aprovaram nesta quinta-feira as alterações do Senado ao projeto de lei 510/19 do deputado Luiz Lima (PSL-RJ).

A proposta também garante às vítimas de violência o direito à assistência jurídica. Caso a situação de violência doméstica comece após o pedido de divórcio ou dissolução da união estável, a ação terá preferência no juízo onde estiver em tramitação.

Leia também:
Maria da Penha lança em PE pesquisa sobre violência contra a mulher
'Trilogia do feminicídio' aborda a violência contra a mulher no teatro
Damares extingue comitês de enfrentamento à violência contra mulher e minorias 


Prioridade
O texto altera o Código de Processo Civil para dar prioridade à tramitação das ações em que a parte seja vítima de violência doméstica em toda a justiça cível. A mudança foi incluída no Código de Processo Civil e vale para as ações de separação e para pedidos de reparação.

Para o autor do projeto, facilitar o divórcio das vítimas de violência é um processo simples, mas muito relevante para as famílias e para garantir que a violência não se repita

A relatora, deputada Erika Kokay (PT-DF), destacou a importância do projeto para que o juiz responsável pela ação de violência doméstica possa decretar a separação para “desconstruir os vínculos que provocaram muito sofrimento na mulher, nas crianças e no conjunto da sociedade”.

O texto aprovado também determina que o juiz e a autoridade policial deverão informar a vítima sobre eventual ajuizamento de pedidos de separação. E, se for o caso, o juiz tem 48 horas para encaminhá-la às defensorias públicas para que solicite a separação.<-p>

 

Veja também

Itamaraty anuncia mais um voo para trazer brasileiros retidos em Portugal
Pandemia

Itamaraty anuncia mais um voo para trazer brasileiros retidos em Portugal

Pesquisadores da Universidade de Brasília desenvolvem máscara que inativa coronavírus
Ciência

Pesquisadores da Universidade de Brasília desenvolvem máscara que inativa coronavírus