Câmara deve votar nesta terça segundo turno da PEC do "Orçamento de Guerra"

A proposta que cria regime extraordinário fiscal, financeiro e de contratações para o enfrentamento pandemia do novo coronavírus no país foi aprovada pela Câmara no início de abril

Votação na Câmara dos DeputadosVotação na Câmara dos Deputados - Foto: Cleia Viana / Câmara dos Deputados

Após a aprovação em primeiro turno, a Câmara dos Deputados vota nesta terça-feira (5), o segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 10/20, apelidada de PEC do Orçamento de Guerra. A proposta que cria regime extraordinário fiscal, financeiro e de contratações para o enfrentamento pandemia do novo coronavírus no país foi aprovada pela Câmara no início de abril. Após modificações do texto no Senado, a matéria retornou para nova análise dos deputados.

A medida flexibiliza travas fiscais e orçamentárias para dar mais agilidade à execução de despesas com pessoal, obras, serviços e compras do Poder Executivo e vai vigorar até o dia 31 de dezembro deste ano – mesmo prazo para o estado de calamidade pública causado pela pandemia.

Leia também:
Senado aprova PEC do orçamento de guerra; texto volta à Câmara
Substitutivo do Senado faz alterações na PEC do Orçamento de Guerra
Guedes cobrou que dinheiro chegue a pequenas empresas, diz secretário do Ministério da Economia


Na noite de ontem (4), o relator da PEC, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), recomendou a aprovação integral do texto oriundo do Senado. De acordo com o parlamentar, a proposta viabiliza um acréscimo de R$ 600 bilhões no Orçamento da União para o enfrentamento da emergência em saúde pública provocada pelo novo coronavírus no Brasil.

Durante a votação, os deputados aprovaram o substitutivo do Senado e rejeitaram os destaques ao texto-base. Entre os pontos rejeitados, está o trecho que condicionava o recebimento de benefícios creditícios, financeiros e tributários, direta ou indiretamente, ao compromisso das empresas de manutenção de empregos. O destaque teve 326 votos favoráveis à rejeição e 143 contra.

A pauta de votações desta terça-feira, prevê a análise da Medida Provisória (MP) 915/20, que facilita a venda de imóveis da União ao mudar vários procedimentos sobre avaliação do preço mínimo e permitir desconto maior no caso de leilão fracassado. Entre outros pontos, a MP concede desconto de 25% sobre o valor inicial de imóvel à venda na segunda tentativa de leilão.

Auxílio a estados
Há expectativa que o projeto de Lei Complementar (PLP) 39/20 que concede um auxílio emergencial a estados e municípios volte a ser discutido na Câmara. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a anunciar que a matéria seria incluída na pauta de ontem, mas o projeto não foi analisado.

O texto aprovado na noite de sábado (2) pelo Senado, na forma de um substitutivo apresentado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), prevê um repasse de R$ 60 bilhões aos entes federados em quatro parcelas mensais.

Em entrevista coletiva, Maia disse que a intenção é votar o texto sem alterações. “Acho que vamos votar sem alteração para que a gente possa ter o projeto rapidamente enviado ao governo e que a gente possa ter logo a sanção”, disse Maia em coletiva na Câmara dos Deputados no início da tarde dessa segunda-feira (4).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Brasil registra 2.616 óbitos por Covid-19 em 24h e total de mortes já ultrapassa 350 mil
Coronavírus

Brasil registra 2.616 óbitos por Covid-19 em 24h e total de mortes já ultrapassa 350 mil

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho
Henry Borel

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho