Camila Haeckel destaca gratidão e resiliência como traços das mulheres

Coautora do livro 'Sucesso: O que elas pensam' conta o que aprendeu durante o processo de pesquisa e produção da publicação

Camila Haeckel é coautora do livro SucessoCamila Haeckel é coautora do livro Sucesso - Foto: Divulgação

Nos últimos meses mergulhei em um projeto ousado... Lançar um livro! Venho conversando com mulheres que atuam em diversas áreas aqui em Pernambuco, para saber o que elas pensam sobre sucesso. O real conceito da palavra sucesso. Nunca aprendi tanto em tão pouco tempo.

Esse projeto teve início há 14 anos atrás com meu irmão Felipe Haeckel. Que entrevistou os pernambucanos que ele mais admirava. Nesse livro de 2004, as personalidades foram escolhidas aleatoriamente, independente do gênero. E apesar de ter apenas 17% de mulheres, fiquei tão encantada com o projeto que não percebi esta disparidade.

Leia todas as edições da Coluna Sucesso aqui.

Já em 2016 quando foi lançada a segunda versão do livro, com abordagem mais empreendedora, só havia a participação de 14% do gênero feminino. Neste momento caiu a ficha: Por que um número tão discreto de personalidades femininas se hoje nós mulheres assumimos o comando de mais de 40% dos lares brasileiros?

Vejam estes dados:

O Brasil possui mais de 7,3 milhões de mulheres empreendedoras. Isso representa 31,1% do total de 23,5 milhões de empreendedores que empregam no país, segundo dados de um estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), divulgado em 2015.

Quatro em cada dez lares brasileiros são chefiados por mulheres, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicíios (PNAD). Dessas, 41% são donas de negócios próprios.
 
Podemos perceber que apesar das indicações do livro terem sido aleatórias, elas não são representativas. Foi então que eu e minha prima, Eduarda Haeckel Vieira, grande sócia e parceira, resolvemos nos juntar a Felipe para fazer uma versão exclusiva com nomes femininos.

E foi isso que fizemos: Nos últimos meses estamos em uma trajetória de entrevistas com mais de 100 mulheres que atingiram de alguma forma o sucesso na nossa região. E o melhor, elas têm muito a compartilhar e inspirar pessoas com seus exemplos.  

Eu queria contar uma coisa pra vocês: Esqueçam o que o dicionário e os sites dizem. O conceito de sucesso é muito mais diverso e particular do que podemos imaginar. Foi isso que eu aprendi com essas mulheres. Não só aprendi como quero compartilhar com vocês.

Nos 3 livros, podemos observar que todos os entrevistados, sejam eles homens ou mulheres, compartilham de algumas características em comum, tais como:

• Disciplina
• Dedicação
• Esforço
• Foco
• Determinação
• Garra


Ok! Isso não é uma novidade para ninguém, mas o que percebemos claramente é que as mulheres se diferem dos homens em alguns pontos. E são nessas diferenças que quero focar.

O primeiro ponto que eu me deparei foi que ao falarem do seu sucesso, elas não têm vergonha de compartilhar seus fracassos, e enxergam isso como parte de sua trajetória. Tem orgulho do que construíram e onde chegaram, falam com naturalidade das suas dificuldades e enxergam os erros como forma de aprendizado. Elas acabam entendendo que o fracasso pode ser uma ponte para o sucesso.

Vejam bem, muitas delas compartilharam conosco que trabalharam anos sem ganhar nada, chegaram a perder tudo, ou começaram do zero. Outras pediram dinheiro emprestado, trabalharam em locais sem prestígio, passaram por situações que não se orgulham... Nenhuma delas teve vergonha de comentar estes e tantos outros fracassos, de agiota à morar de favor, todos foram compartilhados e junto com eles a determinação e o sentimento de gratidão às pessoas que as ajudaram a chegar onde chegaram.

Gratidão
Aí chegamos ao segundo ponto em destaque, as mulheres agradecem. Agradecem a quem as incentivam, inspiram ou estão juntos no dia a dia. Isso pode ser percebido na valorização da família, sempre colocando pessoas próximas como destaque para seu sucesso. A mulher ela tem mais humildade para ser grata e é genuíno. Agradecem principalmente aos pais, à família e à sua equipe. E quando fazem algo que ajuda ao próximo, em geral não gostam de expor isso.

As primas Camila e Eduarda Haeckel

As primas Camila e Eduarda Haeckel - Foto: Divulgação


Tornando o senso de coletividade dessas mulheres o terceiro ponto. Todas reconhecem a importância do trabalho em equipe para a suas conquistas. O altruísmo de investir na equipe e ver sua felicidade e satisfação no sucesso do outro, tornam o trabalho com pessoas um destaque.

Isso tudo leva a algo além da riqueza financeira. A associação do sucesso com a paz de espírito e uma vida equilibrada. Afinal, “a maior empresa que nós temos é a nossa vida, então temos que investir nela”, conforme Roseana Amorim brilhantemente destaca.

E isso é um outro ponto: resiliência e reinvenção, saber se adaptar ao mercado. Do fracasso ao sucesso, as mulheres passaram por diversas áreas diferentes, sabendo se adaptar e se erguer às situações. Eu mesma, já fui empresária de moda, de trabalho social à executiva de banco, e larguei tudo em busca de algo que tivesse um propósito na minha vida.

Isso leva à paixão, todas elas são apaixonadas pelo o que fazem de uma forma diferente. Isso é o que as fazem trabalhar todos os dias com afinco, garra, determinação para enfrentar os desafios e as dificuldades cotidianas, sem perder a alegria e o entusiasmo.  

Em contra partida, algumas delas não têm uma relação bem resolvida com o sucesso, relutam diante dele, não se sentem merecedoras e ao contrário, algumas até têm vergonha e não se autorizam a aproveitar a recompensa que vem com ele. Percebemos isso claramente quando elogiamos ou convidamos para algo e elas questionam esta situação, assim como eu lá no inicio da minha fala exagerando ou melhor potencializando de forma depreciativa uma situação. Comparando os livros, isso aconteceu várias vezes com as mulheres e pouquíssimo com os homens.

Podemos até confundir esta situação com autossabotagem, por que não?

Falamos de paixão, coletividade, gratidão, fracasso... Não tenho dúvidas que há pessoas com essas características também ao seu alcance. Esta seria a minha maior lição de todas as que posso compartilhar hoje aqui com vocês. As nossas inspirações e os nossos exemplos muitas vezes estão bem mais perto do que imaginamos. Tendemos a olhar tão longe e negligenciar as pessoas ao nosso redor. Quantos talentos podem estar ao nosso lado e não valorizamos? Valorizar as pessoas é algo que todos nós podemos fazer, aprender e o melhor é de graça.

Acabo esse texto com uma palavra que eu conheci durante esse projeto e que tem tudo haver com esse livro e com nosso propósito. SORORIDADE. A origem da palavra sororidade está no latim sóror, que significa “irmãs”. Este termo pode ser considerado a versão feminina da fraternidade, que se originou a partir do prefixo frater, que quer dizer “irmão”.

Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

 

Veja também

Novo apagão atinge cidades do Amapá
BLECAUTE

Novo apagão atinge cidades do Amapá

Brasil aplica mais de 1,7 milhão de vacinas contra Covid em 24h
MARCA

Brasil aplica mais de 1,7 milhão de vacinas contra Covid em 24h