Notícias

Campanha 'Ame Dante' busca ajuda para criança com atrofia muscular

Medicação custa R$ 364 mil por dose e, este ano, Dante precisa tomar 5 doses do remédio.

Dante Vitorino Dante Vitorino  - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

O pequeno Dante Vitorino Araújo, de 1 ano e 5 meses, nasceu com uma doença rara e degenerativa. Há três meses, ele foi diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 2, doença neuromuscular que causa a perda de movimentos, fraqueza muscular, deformação e problemas respiratório. Não tem cura, mas é possível evitar a progressão da enfermidade com o uso do medicamento spinraza (Nusinersena) que, desde ano passado, chegou ao Brasil.

“A parada da progressão já é o maior ganho”, comenta a nutricionista e mãe de Dante, Dhuan Vitorino, 32 anos. A medicação custa R$ 364 mil a dose e, este ano, Dante precisa tomar 5 doses do remédio. Diante do alto custo e da necessidade do medicamento, Dhuan iniciou este mês nas redes sociais a campanha “Ame Dante” para arrecadar o valor necessário para as cinco doses. “A doença não para e não podemos esperar. Depois que deforma, não tem mais o que fazer”, disse. A campanha, iniciada no último dia 11, arrecadou R$ 12.970.

Dhuan contou que os primeiros sinais da doença surgiram quando o filho tinha 9 meses, ao engatinhar lentamente. Posteriormente, ele não se levantava apoiado em objetos, o que continuou preocupando a mãe. Com 11 meses, a nutricionista decidiu investigar e iniciou a fisioterapia, para melhorar a qualidade de vida de Dante. O menino também realiza terapia ocupacional.  Neste tempo, a mãe considera que o filho teve duas perdas importantes: sentar de forma independente e rolar na cama.

Durante este tempo, a família conseguiu apoio da Associação Donem, fundada em 2012 e voltada para doenças neuromusculares. A associação fornece acolhimento para orientações, diagnóstico, apoio jurídico, além de trabalhar com a capacitação de treinamento de profissionais. Presidente da Donem e mãe de Lorenzo, de 5 anos, portador do AME tipo 1, Suhellen Silva conta que a família de Dante é bastante participativa na Donem. “Mas eles estão numa fase difícil, todos passam por essa fase no início. É uma família recém-diagnosticada, e o Dante graças a Deus está estável”, comentou Suhellen.

 

Segundo a presidente da associação, no dia 25 de agosto do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu o registro do remédio, e, para entrar no Sistema Único de Saúde (SUS), é necessário passar pelo órgão Conitec, que é uma comissão nacional de incorporação de tecnologias no SUS. Eles avaliam a tecnologia para que possa ser implantada. No momento a avaliação está sendo feita. Ainda de acordo com Suhellen, em 2017, 13 pessoas entraram com ações judicais e, em dezembro, o Ministério da Saúde informou que realizará a compra dos medicamentos.

O tratamento por plano de saúde pode ser obtido por meio de um processo judicial. “O juiz pode negar e/ou o plano pode optar por pagar uma multa caso seja de valor inferior ao medicamento. Nós estamos lutando e aguardando os trâmites da judicialização”, continua Dhuan.

As doações podem ser feitas por meio da vaquinha online ou diretamente na conta
Caixa Econômica Federal, agência 0678 op 013 cp 67384-5; CPF 139.242.694-40 Dante Vitorino Araújo.
 

Veja também

Covid: 'A maioria das pessoas será infectada pelo menos duas vezes por ano', afirma virologista
Coronavírus

Covid: 'A maioria das pessoas será infectada pelo menos duas vezes por ano', afirma virologista

Onze imigrantes morrem em naufrágio perto da costa da Argélia
Imigrantes

Onze imigrantes morrem em naufrágio perto da costa da Argélia