pará

Canção denuncia exploração sexual de crianças em Marajó, e famosos iniciam campanha

Após viralização da música "Evangelho de fariseus", nomes como Virgínia Fonseca, Juliette e Rafa Kalimann usam as redes para abordar assunto

A cantora gospel Aymeê entoa a música 'Evangelho de fariseus' na semifinal do programa 'Dom reality'A cantora gospel Aymeê entoa a música 'Evangelho de fariseus' na semifinal do programa 'Dom reality' - Foto: Reprodução/YouTube

Nomes como a influenciadora digital Virginia Fonseca e os ex-BBBs Juliette, Rafa Kalimann e Eliezer vêm usando as redes sociais para replicar denúncias de exploração sexual de crianças e tráfico de pessoas menores de idade na Ilha de Marajó, no Pará.

O assunto veio à tona após a cantora Aymeê entoar a música autoral "Evangelho de fariseus", na última quinta-feira (15), na semifinal do programa "Dom reality", competição musical entre artistas do universo gospel, com transmissão no YouTube.

A letra de "Evangelho de fariseus" faz citação direta a Marajó, num dos versos, ao lançar luz para problemas sociais e ambientais na ilha amazônica: "Enquanto isso, no Marajó / O João desapareceu / Esperando os ceifeiros da grande seara / A Amazônia queima / Uma criança morre / Os animais se vão / Superaquecidos pelo ego dos irmãos".

"Marajó é uma ilha a alguns minutos de Belém, minha terra. E lá tem muito tráfico de órgãos. Lá é normal isso. Tem pedofilia em nível hard. As crianças de 5 anos, quando veem um barco vindo de fora com turistas (a jovem se interrompe)... Marajó é muito turístico, e as famílias lá são muito carentes. As criancinhas de 6 e 7 anos saem numa canoa e se prostituem no barco por R$ 5", afirmou Aymeé, em frente aos jurados, depois de apresentar a canção autoral.

Na mesma ocasião, Aymeê criticou a apatia da população brasileira diante da calamidade pública que denunciou. "Jesus me fala que às vezes nós, cristãos, terceirizamos muito para o governo o que é de responsabilidade nossa, como cristãos", concluiu a jovem cantora.

Desde então, o assunto viralizou nas redes sociais e inspirou uma campanha impulsionada por famosos. A ex-BBB, apresentadora e atriz Rafa Kalimann afirmou que o vídeo com a performance de Aymeé "reacendeu" um tema "tão delicado e urgente". "É nosso dever, enquanto pessoas públicas, tornar esse caso ainda mais conhecido pelas pessoas. É nosso dever como cidadãos apontar o dedo e dar voz a uma causa tão absurda que pessoas em condições precárias estão passando", reinvindicou ela, por meio de publicação no Instagram.

Juliette também se manifestou. "Clamamos aos políticos, autoridades e órgãos públicos ações e respostas. Aymeê, sua voz ecoou. Nós estamos juntos. Justiça por Marajó", escreveu a cantora e ex-BBB, por meio de um vídeo nos Stories do Instagram.

O ex-BBB Eliezer também compartilhou o vídeo. "Estou chorando, estou triste. Não estou conseguindo dormir. Meu Deus do céu", lamentou ele. Em seguida, o influenciador digital de 34 anos acrescentou: "Eu não tinha conhecimento nenhum sobre o que acontece na ilha. Estou lendo tudo o que posso agora. E estou perplexo (...). Está acontecendo por anos debaixo do nosso nariz e ninguém faz nada para ajudar aquelas crianças".

Pior IDH do país
No Brasil, o pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) — indicador composto por dados acerca de expectativa de vida, educação e indicadores de renda per capita — está num ilha do arquipélago do Marajó. Melgaço (PA) tem pouco mais de 26 mil moradores e índice de 0,418. A título de comparação, o município na melhor posição, São Caetano do Sul (SP), é 0,862, o dobro. A lista mais recente dos IDHs municipais, feita pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), é de 2013. Quanto mais perto de 1, maior o desenvolvimento.

Em maio de 2023, o governo federal lançou o programa Cidadania Marajó para enfrentar a exploração e o abuso sexual de crianças e adolescentes no arquipélago. A iniciativa de Lula (PT) substituiu o "Abrace o Marajó", projeto criado por Damares Alves (Republicanos-DF) durante o governo de Jair Bolsonaro para minimizar a vulnerabilidade social, econômica e ambiental na região.

Denúncia sem provas
Em 2020, durante um culto em Goiânia (GO), a então ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves chegou a afirmar que procurava soluções para denúncias de mutilação e tráfico de crianças para exploração sexual. Na ocasião, ela ressaltou que as crianças estavam sendo traficadas e tinham seus dentes "arrancados para elas não morderem na hora do sexo oral" — e que possuía imagens que comprovavam a denúncia.

Após a repercussão da fala, o Ministério Público Federal (MPF) no Pará pediu informações detalhadas para a ministra. Damares afirmou, porém, que as denúncias eram embasadas em relatos que ouvira "nas ruas" e que não conseguiria apresentar qualquer prova do fato. De acordo com o MPF, a atitude teria propagado fake news e causado danos sociais e morais coletivos à população do arquipélago. Por isso, o órgão pediu retratação pública e indenização de R$ 5 milhões por parte da senadora.

Veja também

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono
Política

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava
Bonobos

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava

Newsletter