Cannabis

TRF5 revoga decisão e Abrace pode voltar a cultivar e manipular Cannabis para fins medicinais

A associação poderá retomar as atividades enquanto providencia regularizações junto à Agência de Vigilância Sanitária

A determinação visa o  efeito suspensivo da liminar deferida pela Justiça Federal na ParaíbaA determinação visa o efeito suspensivo da liminar deferida pela Justiça Federal na Paraíba - Foto: Juan Mabromata/AFP

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5)  decidiu revogar na última quinta-feira (4), a decisão que suspendeu o funcionamento da Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Abrace), no último dia 25 de fevereiro deste ano. A medida se dá após uma vistoria que o desembargador federal Cid Marconi decidiu fazer nas unidades da Abrace, sediada em João Pessoa/PB, no último dia 3.

A determinação visa ao  efeito suspensivo da liminar deferida pela Justiça Federal na Paraíba. Uma vez que havia sido declarado o direito da Abrace de efetuar o cultivo e a manipulação da Cannabis exclusivamente para fins medicinais e para destinação a pacientes associados a ela ou a dependentes destes que demonstrem a necessidade do uso do extrato.

De acordo com os autos, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) editou duas resoluções da Diretoria Colegiada sobre o tema, que regulamentam questões relacionadas a fabricação, comercialização, prescrição e dispensação de produtos derivados da Cannabis para fins medicinais, entre outras providências normativas. Porém, segundo a Anvisa, a associação não havia providenciado, até então, documentos que autorizam e regularizam seu funcionamento, junto à agência.

De acordo com o desembargador, Cid Marconi, ainda que de forma empírica, a eficácia do uso da Cannabis no tratamento de doenças impressiona positivamente. “Impressionam a relevância e a eficácia dos extratos no tratamento de sintomas e das próprias doenças que afligem severamente os associados da autora, ainda que esse dado tenha sido colhido de forma empírica, sem a cientificidade que é desejável num caso como o presente”, afirmou Cid Marconi.

O relator do processo no TRF5, Cid Marconi, convidou todas as partes envolvidas no processo para acompanhar a inspeção, tanto na unidade administrativa quanto na de cultivo e manipulação, situadas em bairros distintos da capital paraibana. O intuito foi entender o modo de cultivo da matéria-prima, de produção do extrato medicinal de Cannabis e o funcionamento da Abrace. 
 


Na ocasião, foi estabelecido um acordo temporário para a lide. “Nesse contexto, e com a relevante colaboração da Anvisa e da Abrace, foi possível construir consensualmente um meio de assegurar o funcionamento da referida Associação ao tempo em que ela providencia a regularização de suas atividades, conforme determinado na sentença recorrida, como condição para a vigência da liminar, até que a Terceira Turma (do TRF5) julgue, em definitivo, o recurso de apelação”, informou o desembargador federal.

Durante a visita, o procurador-chefe da Procuradoria Federal na Paraíba, Eduardo de Albuquerque Costa, afirmou que a Anvisa está ao lado da Abrace. “Estamos disponíveis a oferecer assessoria, a ajudar (a Abrace) a cumprir os requisitos exigidos pelas normas. A Anvisa é mais uma parceira nessa situação”, garantiu.

 O advogado da Abrace, Yvson Vasconcelos, por sua vez, comemorou o resultado da visita. “Acho que construímos um acordo que dá a possibilidade da Abrace existir enquanto entrega aquilo que é o seu escopo: saúde para os associados. A Abrace sempre buscou, junto à Anvisa, esse apoio, mas a Agência carecia das resoluções. Agora dá para a gente construir esse novo  futuro”, disse. Ficou acordado, ainda, que a Abrace poderá retomar suas atividades, enquanto providencia as devidas regularizações. 

Prazos como o período de 15 dias para que a Abrace providencie o protocolo do seu projeto de ampliação, e   60 dias, a partir da manifestação da Anvisa, para a realização de todos os ajustes apontados pela Anvisa, foram acordados com base nos termos da sentença da 2ª Vara Federal da Paraíba. 

 

Veja também

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando
Fiscalização

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021
Pandemia

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021