Capacitação para identificação precoce de Hanseníase no Recife

Profissionais alertam para identificação da doença em seu estágio inicial, principalmente, em crianças de até 15 anos

Operação Astaroth foi deflagrada pela PF em Alagoas, Pernambuco e no MaranhãoOperação Astaroth foi deflagrada pela PF em Alagoas, Pernambuco e no Maranhão - Foto: Divulgação/Polícia Federal

Uma capacitação para os profissionais da saúde do estado e os que atuam em unidades prisionais com o intuito de identificar a hanseníase em seu estado inicial, principalmente em crianças de até 15 anos, está sendo realizada, na manhã desta segunda-feira (24), no auditório da Faculdade Maurício de Nassau, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. O evento vai até esta quarta-feira (27).

A ação promovida pelo Centro de Referência Nacional de Dermatologia Sanitária - Hanseníase, com apoio da Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) e Sociedade Brasileira de Dermatologia (SDB-PE), chama atenção para que a estabilidade no número de casos da doença não necessariamente quer dizer o seu controle: "Precisamos ficar em alerta porque apesar dos números terem diminuído no Estado e no Brasil, precisamos questionar se houve realmente uma redução dos casos ou se existiram problemas na hora de diagnosticar a doença", explica Marco Andrey Cipriani Frade, presidente da Sociedade Brasileira de Hansenologia.

Por isso, o objetivo da capacitação é diagnosticar a doença mais cedo, para tratar logo e diminuir os casos de complicações.

O presidente da SBH, ainda alerta que as crianças tem dois locais mais propícios de adquirir a doença: em casa, com outros integrantes da família, e na escola.

"Nós estamos trabalhando com a capacitação de profissionais de saúde e equipes do programa Saúde da Família para detectar a doença em menores de 15 anos. Essa força tarefa é para capacitar melhor os profissionais porque por trás da criança com a doença está um adulto sem tratamento transmitindo a hanseníase", afirma a Gerente de vigilância das doenças transmitidas por microbactérias, Danyella Travassos.

Veja também

Seca e incêndios sem precedentes causam estragos no centro da América do Sul
Pantanal

Seca e incêndios sem precedentes causam estragos no centro da América do Sul

Transferência de tecnologia de vacinas ao Brasil pode demorar até dez anos
Vacina

Transferência de tecnologia de vacinas ao Brasil pode demorar até dez anos