Captação líquida da poupança caiu 65,2% no ano passado

Depósitos superaram saques em R$ 13,23 bi em 2019

DinheiroDinheiro - Foto: Marcello Casal / Agência Brasil

Com os rendimentos comprometidos por causa da queda dos juros, o interesse na caderneta de poupança diminuiu em 2019. No ano passado, os investidores depositaram R$ 13,23 bilhões a mais do que sacaram na aplicação, informou nesta terça-feira (7) o Banco Central. Isso representa queda de 65,2% em relação à captação líquida (depósitos menos retiradas) de R$ 38,26 bilhões registrada em 2018.

A maior parte da captação líquida ocorreu em dezembro. No mês passado, os investidores depositaram na caderneta R$ 17,21 bilhões a mais do que retiraram, compensando a retirada líquida em outros meses. Esse foi o melhor resultado para meses de dezembro desde 2017, quando a poupança tinha registrado captação líquida de R$ 19,37 bilhões. Por causa do pagamento do décimo terceiro, o último mês do ano tradicionalmente registra depósitos elevados na poupança.

Até 2014, os brasileiros depositavam mais do que retiravam da poupança. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões. Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrir dívidas, em um cenário de queda da renda e de aumento de desemprego.

Leia também:
Poupança perde competitividade com Selic a 4,5%
Poupança tem maior captação líquida para novembro em dois anos
Mesmo com queda na Selic, poupança continua mais vantajosa que fundos de renda fixa
 

Em 2015, R$ 53,57 bilhões foram sacados da poupança, a maior retirada líquida da história. Em 2016, os saques superaram os depósitos em R$ 40,7 bilhões. A tendência inverteu-se em 2017, quando as captações excederam as retiradas em R$ 17,12 bilhões, e em 2018 – captação líquida de R$ 38,26 bilhões.

Com rendimento de 70% da Taxa Selic (juros básicos da economia), a poupança atraiu recursos em dezembro apesar de se tornar menos atrativa porque os juros básicos estão no menor nível da história. Com a Selic em 4,5% ao ano, o investimento está cada vez rendendo menos.

De janeiro a dezembro, a aplicação rendeu 4,26%, segundo o Banco Central. Caso a inflação em 2019 feche em 4,13%, conforme as previsões do Boletim Focus, pesquisa com instituições financeiras divulgada toda semana pelo BC, a poupança terá rendido apenas um pouco mais que a inflação no ano passado.

Para 2020, o Boletim Focus prevê inflação oficial pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 3,6%. Com a atual fórmula de rendimento, a poupança renderá 3,15% em 2020, caso a Selic permaneça em 4,5% ao longo de todo este ano.

Veja também

Depois de anúncio de Pazuello, governadores confirmam início da vacinação nesta segunda
Imunização

Depois de anúncio de Pazuello, governadores confirmam início da vacinação nesta segunda

Conheça os Bidens, a nova 'primeira família' dos Estados Unidos
Presidente dos EUA

Conheça os Bidens, a nova 'primeira família' dos Estados Unidos