Carlinhos é encontrado na Argentina pela PF

Pai do menino, o empresário argentino Carlos Attias, foi preso em Buenos Aires

Menino foi levado pelo pai em dezembro de 2015Menino foi levado pelo pai em dezembro de 2015 - Foto: Divulgação

Após sete meses de procura, o menino Carlos Attias Bourdoux, de 8 anos, conhecido como Carlinhos, foi encontrado na Argentina pela Polícia Federal. O pai dele, o empresário argentino Carlos Attias foi preso na cidade de Buenos Aires, capital e maior cidade do país, que tem fronteira com o Brasil e o Paraguai.

O caso ganhou repercussão depois que a mãe do menino, a fisioterapeuta Cláudia Boudoux, denunciou o desaparecimento do filho e acusou o ex-marido. Carlinhos e o pai foram encontrados pela polícia na última quarta-feira (14). A informação foi repassada para a Polícia Federal de Pernambuco pelos investigadores argentinos.

O nome do empresário havia sido incluído na lista de procurados da difusão vermelha da Interpol no último dia 31 de agosto, passando a ser procurado em 192 países do mundo. A polícia brasileira está providenciando o envio de investigadores a Buenos Aires para o recebimento tanto do pai quanto da criança e retorno para o Brasil. A data da chegada deles no Brasil ainda não está definida.

Entenda o caso

O país vizinho já era considerado pela polícia como o possível destino tomado pelo empresário argentino e o filho. O menino não viajou com o pai a contragosto. Attias se utilizou da alienação parental para convencê-lo.

Primeiro, fez um acordo com a mãe da criança, para retirar a medida protetiva que o impedia de chegar perto dos filhos, expedida por ter cometido maus-tratos contra toda a família. Depois, durante as visitas, começou a jogar a mãe contra as crianças.

De acordo com Cláudia Boudoux, as mais velhas não aceitaram, mas Carlinhos teria ficado confuso. O interesse do empresário argentino nos filhos teria começado quando a mãe iniciou um novo relacionamento.

Mesmo detendo a guarda familiar, Carlos Attías estava infringindo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) por retirar a criança do convívio com a mãe. Com a federalização no caso, a polícia pernambucana passou a contar com o reforço do Interpol e da polícia Argentina.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU
EM EVENTO NO RECIFE

Em evento no Recife, ministro da Educação diz que 140 prefeituras terão de prestar contas ao TCU