Carne vermelha talvez não seja vilã da alimentação

Revisão de dezenas de estudos concluiu que o risco potencial de doenças é baixo, e as evidências, ainda incertas

Carne vermelhaCarne vermelha - Foto: Pixabay

Reduzir o consumo de carne vermelha é um conselho médico padrão para prevenir câncer e doenças cardíacas, mas uma revisão de dezenas de estudos concluiu que o risco potencial é baixo, e as evidências, ainda incertas.

De acordo com as novas diretrizes publicadas na revista médica "Annals of Internal Medicine", um painel de pesquisadores de sete países sugeriu que os adultos "continuem com o consumo atual de carne vermelha".

O conselho, que imediatamente provocou uma forte reação de outros especialistas, acrescentou que os adultos também devem "continuar com o consumo atual de carne processada".

Leia também:
Preocupação ambiental atinge venda de carne e bebidas
O alimento no combate à depressão


Publicada na revista editada pelo American College of Physicians, a pesquisa analisou vários estudos que, como um todo, mostraram que a redução do consumo de carne vermelha a três porções por semana poderia reduzir a mortalidade por câncer em sete mortes a cada mil pessoas.

Os pesquisadores disseram que a redução foi modesta e que eles encontraram apenas um grau "baixo" de certeza sobre as estatísticas.

Eles acrescentaram que a qualidade das evidências que relacionam a carne com doenças cardiovasculares e diabetes era "muito baixa".

"Existem reduções de risco muito pequenas de câncer, doenças cardíacas, diabetes, e as evidências são incertas", declarou à AFP Bradley Johnston, professor de Epidemiologia da Universidade Dalhousie, no Canadá, e diretor do grupo NutriRECS, que elaborou as diretrizes.

"As pessoas precisam tomar suas próprias decisões. Estamos dando a melhor a estimativa da verdade", enfatizou.

Revisão do cardápio
Os pesquisadores disseram que querem mudar a abordagem da "velha escola" de dar recomendações nutricionais gerais e se concentrar mais nas evidências dos benefícios individuais.

"As pessoas devem olhar para isso e, espero, tomar decisões pessoais informadas, em vez de ouvirem as organizações autorizadas dizerem o que fazer", destacou Johnston.

Comer menos carne vermelha e processada tem sido um pilar da orientação alimentar por décadas em muitos países e também nos principais grupos de saúde.

O Centro Internacional de Pesquisa de Câncer da Organização Mundial da Saúde garante que a carne processada é cancerígena, enquanto a carne vermelha é "provavelmente cancerígena".

Em resposta às diretrizes mais recentes, o Centro disse que não mudará seus conselhos.

"Mantemos nossa confiança nas rigorosas pesquisas realizadas ao longo de 30 anos", afirmou a diretora de Pesquisa, Giota Mitrou.

Marji McCullough, epidemiologista da American Cancer Society, disse que os pesquisadores levaram em consideração os valores e preferências individuais das pessoas.

"É como dizer: 'Sabemos que os capacetes salvam vidas, mas algumas pessoas preferem sentir o vento nos cabelos quando andam de bicicleta. E, convenhamos, a maioria das pessoas não vai bater com a cabeça", afirmou.

"Mas todos concordam que o capacete deve ser usado", acrescentou.

E Kevin McConway, professor emérito de Estatística Aplicada da Universidade Aberta do Reino Unido, disse que a falta de evidências científicas sólidas significa apenas que há poucas respostas claras.

Veja também

Ministério da Saúde fecha acordo com governo de SP para compra de 46 milhões de doses da Coronavac
Coronavírus

Ministério da Saúde fecha acordo com governo de SP para compra de 46 milhões de doses da Coronavac

Ministério da Saúde anuncia que vai incorporar vacina chinesa em calendário nacional
Coronavírus

Ministério da Saúde anuncia que vai incorporar vacina chinesa em calendário nacional