Carol Meligeni não supera americana e disputa bronze no Pan

Carol tem apenas 23 anos e saí de Lima com saldo positivo

Carol MeligeniCarol Meligeni - Foto: Divulgação/COB

Mesmo com a torcida do tio Fernando Meligeni, Carol Meligeni não conseguiu passar pela norte-americana Caroline Doleheide e perdeu a semifinal por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/2 , neste sábado (3), no Jogos Pan-Americanos de Lima.

"Enfrentei uma adversária difícil. Eu estou tranquila porque fiz o melhor que eu pude. Alguns pontos importantes escaparam, outros ela jogou melhor. É assim que funciona no tênis, só uma tem que ganhar", lamentou.

Carol tem apenas 23 anos e saí de Lima com um saldo positivo. "Vou tentar levar meu aprendizado daqui para minha carreira. Quando jogo pelo Brasil vou melhor. Vou levar isso para o circuito, não importa que adversária é mais bem rankeada ou é melhor. É possível. Aqui eu consegui". No torneio, a brasileira superou duas adversárias mais bem rankeadas que ela, a canadense Rebeca Marino e a mexicana Renata Zarazua.

Leia também:

Carol Meligeni passa por mexicana e avança para semis

No primeiro set a americana começou melhor e chegou a quebrar o serviço da brasileira. Carol conseguiu equilibrar e foi para o tie break, mas Caroline Doleheide fechou por 7/5, em 54 minutos de partida.

Com muita disputa e equilíbrio, as tenistas entraram para o segundo set com quebra de serviços das duas partes. Até que a americana conseguiu abrir 4 a 2 e só administrou para fazer 6/2.

A disputa do bronze vai ser com contra a paraguaia Veronica Cepede, no próximo domingo. A última vez que o Brasil chegou à final foi em Indianápolis 1987, com Pat Medrado e ela levou o ouro. Em Havana 1991, Andréa Vieira ficou o bronze. O outro ouro brasileiro em Pan é de Maria Esther, em 1963, em São Paulo.

Carol e Luisa ainda entram em quadra nesta tarde para disputa do bronze em duplas. "Agora, é levantar a cabeça, tem o bronze para disputar à tarde e amanhã tem a disputa no simples. É ter foco no objetivo, não dá para lamentar por muito tempo", completa.

Veja também

Motorista de app é estuprada e roubada durante corrida no Recife: 'Eu sabia que ia morrer'
Violência

Motorista de app é estuprada e roubada durante corrida no Recife: 'Eu sabia que ia morrer'

Vida melhor e sem violência para as mulheres
Mulheres em Movimento

Vida melhor e sem violência para as mulheres