Casa de Capiba é alvo de vândalos

Invasores levaram dois portões do imóvel na madrugada desta terça-feira (23). Moradores do Espinheiro denunciam que ações do tipo são recorrentes no bairro

Suspeitos levaram os portões, mas não tiveram acesso ao interior do imóvelSuspeitos levaram os portões, mas não tiveram acesso ao interior do imóvel - Foto: Henrique Genecy

Pouco mais de três meses após ser desapropriada pelo Governo de Pernambuco e de se tornar objeto de um processo de tombamento estadual, a antiga residência do compositor Capiba (Lourenço Fonseca Barbosa, 1904-1997) no Recife, localizada no número 369 da rua Barão de Itamaracá, no bairro do Espinheiro, Zona Norte da Capital, voltou à berlinda. Na madrugada dessa terça-feira (23), invasores roubaram pelo menos dois portões de alumínio (o da garagem e o dos fundos). Os suspeitos não tiveram acesso ao interior da casa. Moradores e comerciantes da área denunciaram à reportagem que esse tipo de ação tem sido constante em edifícios empresariais e residenciais das redondezas.

Testemunhas entrevistadas pela Folha de Pernambuco - e que pediram para não serem identificadas - deram conta de que há pouco tempo foram arrombadas três clínicas médicas e uma academia de ginástica - da qual foram levados alguns televisores. Um prédio residencial, ao lado da casa de Capiba e defronte à academia, também teve quatro bicicletas e uma lavadora de alta pressão furtadas.

Após a desapropriação, a responsabilidade pela casa de Capiba passou da viúva do compositor, Maria José (Zezita) Barbosa, para o Governo, por meio da Secretaria de Administração (SAD) estadual. A reportagem tentou entrar em contato com a SAD, mas não obteve resposta. Sobre o caso específico da casa de Capiba, a Polícia Civil comunicou ainda ontem, por nota, “que até o momento não recebemos nenhuma queixa formal (registro de boletim de ocorrência) sobre o fato ocorrido”. “Informamos que se faz necessário que a vítima preste queixa na delegacia mais próxima.”

Leia também:
Casa de Capiba aprovada para tombamento 
Desapropriação da casa de Capiba no Recife surpreende viúva

A respeito dos constantes casos de arrombamento na área, a Polícia Militar disse, também por nota, “que o 13º BPM mantém suas rondas no bairro do Espinheiro através da Patrulha do Bairro, Guarnições Táticas e do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati)”. A PM também informou que “a Unidade mantém operações constantes na região para coibir a ação de criminosos, inclusive com rondas ostensivas de motopatrulheiros” e que “o comandante da Unidade reforça a importância de ligar para o 190 no momento da ocorrência ou prestar uma queixa, posteriormente, na Delegacia”.

Transição
No início de outubro passado, a casa de Capiba estava fechada e disponível para aluguel ou venda quando o advogado Antônio Campos (irmão do ex-governador Eduardo Campos) protocolou um pedido de tombamento do imóvel junto à Secretaria de Cultura (Secult) estadual. Imediatamente à iniciativa do advogado, o Governo determinou a desapropriação do prédio e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) aceitou o pedido de tombamento da casa, que passou a obedecer às mesmas prerrogativas de um bem tombado.

 

Veja também

Confirmadas 1.300 mortes pela Covid-19 no Brasil nas últimas 24h
Coronavírus

Confirmadas 1.300 mortes pela Covid-19 no Brasil nas últimas 24h

Ivermectina está entre drogas mais testadas contra Covid-19, mas não atrai líderes de pesquisas
Coronavírus

Ivermectina está entre drogas mais testadas contra Covid-19, mas não atrai líderes de pesquisas