Casa própria com juros menores. E a crise?

Vivemos tempos de turbulência política, a economia ainda está tropeçando e não sabemos que país poderemos ter a partir de janeiro de 2019

Leusa Santos, editora-executiva da Folha de PernambucoLeusa Santos, editora-executiva da Folha de Pernambuco - Foto: Arthur de Souza/Arquivo Folha

Uma notícia animadora para o setor de habitação e, principalmente, para aqueles que estão na luta pela conquista da casa própria. A Caixa Econômica Federal (CEF) reduziu os juros para financiamento de avaliados em até R$ 1,5 milhão. A matéria abre a edição do caderno de Mercado e lá você encontra os detalhes desse corte de juros.

Mas não podemos deixar aqui de estabelecer um contraponto a essa notícia, para reflexão. Este ano, em abril, precisamente, o IBGE divulgou uma pesquisa cujo recorte mostra um dos efeitos do desemprego, que hoje atinge quase 13 milhões no País. O instituto divulgava um levantamento apontando o crescimento do número de brasileiros que “moram de favor”. 

Os especialistas atribuíram à crise uma das principais causas desse cenário. Vivemos tempos de turbulência política, a economia ainda está tropeçando e não sabemos que país poderemos ter a partir de janeiro de 2019.

E ainda não saímos da crise. É positivo esse corte de juros da casa própria, mas não podemos deixar de registrar que as condições para tê-la e mantê-la são extremamente necessárias. Senão, cortar juros apenas é enxugar gelo.

Devido à ingrata crise econômica, 70 mil imóveis foram retomados pelos bancos por falta de pagamento no financiamento. Os dados, nacionais, foram divulgados no final de agosto, pelas próprias instituições financeiras, incluindo a Caixa Econômica Federal.
Essa dose breve de reflexão não pretende se arvorar em um caráter pessimista.

Parafraseando o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Dias Toffoli, a intenção é mostrar que não temos um Brasil que merecemos, mas estamos em processo de transformação para conseguirmos um País realmente “do futuro”, como dizia o poeta Renato Russo, na música “1965 (Duas Tribos)”.

Nesta edição, preparamos para você um conteúdo diversificado. São as nossas xícaras de café para uma boa leitura. Ainda em Mercado, trazemos uma reportagem sobre o perfil cada vez mais seletivo do cliente e os desafios para as empresas.

Em Sabores, leia sobre os alimentos que blindam o corpo contra uma série de doenças. Confesso que, ao ler, pensei que ainda tenho muito a adequar à rotina alimentar. Mas é o hábito que faz o monge, não é mesmo?

Em Esportes, trazemos os bastidores do desafio do Sport, neste domingo, contra o Corinthians. Os rubro-negros lutam para escapar da zona de rebaixamento. Prepare o coração e os petiscos.

Em Zoom, a reportagem verificou como está a questão da fiscalização das academias de ginástica. Se há equipamentos de socorro necessários e a exigência de atestados médicos para a prática de exercícios. Constatamos uma realidade preocupante: ainda não há legislação específica para esse setor, que cresce cada vez mais. Confira.

Boa leitura!

Veja também

Menina morre asfixiada na Itália ao participar de desafio no TikTok
"Desafio do apagão"

Menina morre asfixiada na Itália ao participar de desafio no TikTok

Nível crítico nas barragens do Estado faz Compesa mudar calendário de abastecimento de água na RMR
Abastecimento

Nível crítico nas barragens do Estado faz Compesa mudar calendário de abastecimento de água na RMR