Casal de argentinos aplica golpe de R$ 7 milhões em Pernambuco

O dinheiro foi desviado entre os anos de 2011 e 2016 em filial pernambucana de empresa com sede em Goiás

Natacha Vigier Fraser, de 47 anos, é advogada e natural de Buenos AiresNatacha Vigier Fraser, de 47 anos, é advogada e natural de Buenos Aires - Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal anunciou a prisão de um casal argentino acusado de aplicar um golpe que somou um prejuízo de R$ 7 milhões em uma empresa com sede em Goiás e em sua filial pernambucana, entre os anos de 2011 e 2016. A mulher foi presa em casa no dia 22 de fevereiro por policiais civis do Brasil, em sua residência em Buenos Aires, capital da Argentina. O homem se entregou logo em seguida.

‪Joe ‬Fordham‪, de 53 anos, e Natacha Vigier Fraser, de 47, trabalhavam como facilitadores da empresa XLPower Nerópolis Locação de Equipamentos Industriais Ltda. no setor de termoelétricas. A empresa brasileira, do ramo de geração, transmissão e comércio de energia elétrica, tentava introdução no mercado argentino com a aquisição da empresa estrangeira Excell Power.

Leia também:
Bancos fazem acordo com Polícia Federal para combater fraudes eletrônicas
Grupo denuncia suposto golpe de emprego oferecido na OLX em Abreu e Lima


O casal iniciou o golpe quando informou aos responsáveis pela XLPower que, para o contrato ser aceito pelas lei da Argentina, era necessário que um dos sócios fosse argentino e tivesse 5% do capital social. Assim, os estrangeiros conseguiram a gerência de parte da empresa e tiveram acesso a retiradas de dinheiro.

Os empresários brasileiros descobriram tardiamente que a exigência que alegavam ser feita legislação argentina era mentira. Desde então, a Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) investigava o caso, que foi denunciado ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) em agosto de 2017.

As prisões preventivas dos estelionatários foi decretada e, em parceria com a Polícia Federal, que os colocou em alerta vermelho no banco de dados da Interpol, eles foram presos. A pena para o crime é de mais de 10 anos de prisão. "É de interesse do Brasil trazê-los para cumprir a pena em nosso Estado, já que o crime foi cometido aqui em Pernambuco", afirma o assessor de comunicação da Polícia Federal, Giovani Santoro. 

Ainda de acordo com a Polícia Federal (PF), os acusados de fraude não tinham ficha anterior na Interpol e, por isso, tinha acesso livre ao Brasil, mas há indícios que o casal já tinha experiência em golpes deste tipo. "São pessoas que são muito experientes em simular esse tipo de negócio", afirmou Santoro. O casal permanece preso na Argentina, aguardando a decisão dos Ministérios Públicos de ambos os países entrarem em acordo.

 

Veja também

Pernambuco recebe remessa de vacinas da Janssen para iniciar aplicação das doses de reforçoVacinação

Pernambuco recebe remessa de vacinas da Janssen para iniciar aplicação das doses de reforço

Rússia retoma turismo espacial com envio de multimilionário japonês Espaço

Rússia retoma turismo espacial com envio de multimilionário japonês