Caso Beatriz: legista alagoano vai auxiliar investigações do crime

Menina de 7 anos foi morta durante festa de colégio em Petrolina em 2015

Filme "Resident Evil 6: O Capítulo Final"Filme "Resident Evil 6: O Capítulo Final" - Foto: Divulgação

O médico legista alagoano George Sanguinetti afirmou ter sido convidado para auxiliar nas investigações do assassinato da menina Beatriz Mota, crime ocorrido em dezembro de 2015 e, até agora, sem solução. O anúncio foi feito no perfil do profissional no Facebook. O convite, segundo ele, partiu do advogado do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão do Estado, onde a menina estudava e onde foi morta durante uma festa de formatura.

Sanguinetti ficou conhecido em todo o País por atuar em casos como o de PC Farias e o da menina Isabela Nardoni. Em março deste ano, chegou a oferecer seus serviços para as investigações do Caso Beatriz, o que não foi aceito, na época, pela Secretaria de Defesa Social.

Na postagem em que fala sobre o convite, o médico legista rechaça o que chama de “opiniões malévolas de culpa ao colégio” e critica a demora das autoridades policiais em achar uma solução. “Decorridos mais de sete meses, não se tem autor ou autores, motivação; não se sabe nem onde a menor foi morta”, afirma. “Este crime foi tão perfeito assim, que não deixou nenhuma evidência, nenhum vestígio?”, questiona Sanguinetti.

Por fim, o médico legista explica que o advogado do colégio já solicitou à Justiça acesso aos autos e perícias e que, quando autorizado, chegará a Petrolina para trabalhar no caso. “Não irei voltar sem as respostas: 1. Quem mantou Beatriz? 2. Qual o motivo?”, elenca.

Beatriz Mota, na época com 7 anos, foi assassinada com 42 facadas na noite da formatura de sua irmã mais velha, que ocorria no colégio Nossa Senhora Auxiliadora. O corpo dela foi encontrado no depósito de materiais esportivos da escola. Nesta terça-feira (19), familiares e amigos da vítima pretendem fazer um protesto, em frente ao Palácio do Campo das Princesas, no Recife, pedindo celeridade nas investigações do caso.

Veja também

Cirurgia bariátrica é procedimento pouco acessível, diz associação
Saúde

Cirurgia bariátrica é procedimento pouco acessível, diz associação

Professora da Unicap é acusada de racismo
Racismo

Professora da Unicap é acusada de racismo