Caso Beatriz: revogado pedido de prisão do ex-funcionário da escola

Advogado do suspeito disse que as investigações não incriminaram Alisson Cunha, ex-funcionário da escola onde a menina morreu

A menina Beatriz Angélica, de 7 anos, foi assassinada em 10 de dezembro de 2015A menina Beatriz Angélica, de 7 anos, foi assassinada em 10 de dezembro de 2015 - Foto: Reprodução/Acervo Pessoal

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) revogou o pedido de prisão do suspeito de ter apagado as imagens do circuito interno do colégio particular em Petrolina, no Sertão, onde a menina Beatriz Angélica Mota Ferreira da Silva, de 7 anos, foi encontrada morta com 42 facadas, em dezembro de 2015. Desde dezembro de 2018, quando o pedido de prisão foi feito, Alisson Henrique Carvalho Cunha era considerado foragido.

De acordo com o advogado de defesa de Alisson, Wank Medrado, o TJPE concedeu a revogação da prisão por entender que as investigações não chegaram a nenhum resultado. Em julho deste ano, a polícia chegou a cumprir um mandado de busca na casa dele, mas nada foi encontrado. 

Leia também:
Caso Beatriz: três anos de um crime sem solução
Caso Beatriz: família recebe carta do Papa Francisco com benção e mensagem de conforto


"A informação de que ele apagou as imagens não procede. A gente até acredita que se realmente apagaram foi algum erro na polícia", falou o advogado em entrevista por telefone. Apesar da revogação do pedido de prisão, o inquérito envolvendo Alisson continua porque o arquivamento depende da conclusão do inquérito policial da morte de Beatriz. "Agora vamos provocar a Justiça para declare a inocência dele", disse Medrado. O TJPE enviou nota dizendo que o processo segue em segredo de justiça.

Por meio de portaria publicada no dia 9 de setembro, o chefe da Polícia Civil, Joselito do Amaral, manteve a delegada Polyanna Neri na presidência do inquérito, com dedicação exclusiva. Além disso, atendendo ao pedido da própria delegada, o documento instituiu uma Força Tarefa composta de mais três delegados e suas respectivas equipes, todos com experiência na investigação de homicídios.

Ainda segundo a Polícia Civil, foi reforçada a equipe de Polyanna Neri, com policiais indicados por ela mesma. "Quanto à investigação, que corre em segredo de justiça, a delegada e a Força Tarefa se pronunciarão apenas na conclusão dos trabalhos", disse a corporação em nota. Já o TJPE informou que o processo segue em segredo de Justiça.

Quem também se pronunciou sobre o caso foi o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora Petrolina, onde aconteceu o crime. Por nota, a instituição disse entender que as declarações, apresentadas pelo advogado do ex-prestador de serviço da unidade escolar e confirmadas pela Justiça, corroboram com informações anteriormente fornecidas pelo colégio, que apontam que foram disponibilizadas todas as imagens, registradas pelo circuito interno de segurança do colégio. "Tais declarações também reforçam o posicionamento sempre assumido pelo colégio, de irrestrita colaboração com as investigações para elucidação do caso Beatriz", disse a nota.

A família de Beatriz Mota trava uma batalha por justiça desde o dia em que a menina foi encontrada morta na escola onde estudava, em Petrolina, sertão de Pernambuco. O crime ocorreu dentro da quadra onde acontecia a solenidade de formatura das turmas do terceiro ano da escola. A irmã da menina era uma das formandas.

Beatriz afastou-se dos pais para beber água e não voltou mais. O corpo foi encontrado cerca de 30 minutos depois. Até hoje, nenhum suspeito do crime foi preso. No mês passado a mãe de Beatriz se reuniu com o governador Paulo Câmara para discutir a federalização das investigações.

Veja também

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia
rio de janeiro

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio
agressão

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio