A-A+

Caso Carlinhos: pai é preso na Argentina, mas garoto segue desaparecido

Comerciante é acusado de sequestrar o filho em dezembro de 2015 e de ter pago idosa de 80 anos para mantê-lo em cativeiro

Cláudia e CarlinhosCláudia e Carlinhos - Foto: Cortesia/Arquivo Pessoal

O comerciante Carlos Attias, pai do menino Carlos Attias Boudoux, o Carlinhos, foi preso em Buenos Aires, capital da Argentina, alvo de um mandado de prisão preventiva. O pai é acusado de obstrução da Justiça e de esconder a criança. O menino, hoje com 12 anos, foi sequestrado em dezembro de 2015 no Recife e, apesar da prisão do pai, que ocorreu nessa quarta-feira (15), permanece desaparecido. Além do comerciante, uma idosa de 80 anos tida como uma das cuidadoras temporárias de Carlinhos e um sobrinho dela também foram presos.

O mandado contra Carlos Attias o acusa de não cumprir a extradição que havia sido combinada com a Justiça em 25 de fevereiro de 2019, data que ele noticiou às autoridades argentinas uma fuga do garoto e anexou aos autos do processos uma carta na qual Carlinhos afirmava não querer voltar ao Brasil.

Leia também:
Caso Carlinhos: menino deixou carta e sumiu na Argentina
Carlinhos é encontrado na Argentina pela PF


O menino deveria ter sido entregue à mãe, a fisioterapeuta pernambucana Cláudia Boudoux, em 28 de fevereiro de 2019, data limite para o cumprimento da ordem judicial. Os advogados da mãe esperam que as autoridades argentinas localizem o garoto para entregá-lo à família.

A mãe contou à reportagem do Portal FolhaPE como recebeu a notícia da prisão do pai do seu filho. "Eu estou muito feliz. Pedi a Deus para que isso acontecesse. Carlinhos não estudou, não brincou e ficou em cativeiro. Ele não teve vida nesse ano", disse. Cláudia disse ainda que pretende ir a Buenos Aires para receber o filho quando ele for achado. "Não tenho nem palavras", afirmou, emocionada ao falar sobre o momento que aguarda há mais de quatro anos.

Carlos Attias

Carlos Attias, pai de Carlinhos - Foto: Cortesia/Arquivo Pessoal

O advogado de Cláudia, Pedro Henrique Reynaldo, disse que as investigações apontaram como Carlos Attias escondeu Carlinhos durante os últimos 11 meses. "O pai contratou essa senhora, de 80 anos e portadora de câncer, para manter Carlinhos nessas casas. Ele pagava 7 mil pesos [cerca de R$ 489] por mês para ela guardar o menino em casas paupérrimas em Buenos Aires. Nos fins de semanas, ia visitar o filho", disse, acrescentando que Carlinhos, além de não ver a mãe há quatro anos, não frequenta o colégio há um ano.

"A expectativa da família é que, nos próximos dias, Carlinhos seja encontrado. A mãe está muito feliz e com uma boa expectativa", continuou o advogado. Pedro Henrique relembra que, para justificar o sequestro, Carlos Attias alegou em inquérito que o menino não era bem tratado pela mãe. "O mandado foi expedido em um Tribunal de 2ª Instância da Argentina. Os bens de Carlos já foram bloqueados", finalizou.

Veja também

Novo tuitaço gera mobilização contra corte de R$ 600 milhões na ciência brasileira
Mobilização

Novo tuitaço gera mobilização contra corte de R$ 600 milhões na ciência brasileira

Ministério da Saúde já está desabilitando leitos de terapia intensiva
Coronavírus

Ministério da Saúde já está desabilitando leitos de terapia intensiva