rio de janeiro

"Castração de meninas": Câmara de Barra do Piraí rejeita pedido de impeachment do prefeito

Proposta apresentada por vereadora de oposição foi arquivada por sete votos a dois. Manifestantes contra e a favor lotaram plenário do legislativo

Mario Esteves, prefeito de Barra do Piraí, disse publicamente que as meninas do município deveriam ser "castradas"Mario Esteves, prefeito de Barra do Piraí, disse publicamente que as meninas do município deveriam ser "castradas" - Foto: Reprodução/Redes sociais

Durante sessão tumultuada, a Câmara Municipal de Barra do Piraí rejeitou por sete votos a dois o pedido de impeachment do prefeito Mário Esteves, que sugeriu "castrar" mulheres durante um discurso transmitido ao vivo pela internet. A votação aconteceu entre final da tarde e o começo da noite desta terça-feira com um plenário lotado, incluindo muitas mulheres, que levantaram cartazes contra e a favor da punição. A vereadora Kátia Miki (Cidadania) que protocolou a proposta foi alvo de vaias e de críticas da plateia. A parlamentar argumentou que a claque era composta, na maioria, por servidores comissionados da prefeitura.

"Estou impressionada com a violência que sofri na sessão. Muitos funcionários comissionados (cargos de confiança do prefeito) da prefeitura foram na sessão apenas para me vaiar, xingar e insultar" reclamou a vereadora.

Ainda segundo a parlamentar, a maioria do plenário era composta por mulheres. Algumas seguravam cartazes com os dizeres " Mulheres com Mário" ou "Oposição Oportunista". Havia também cartazes defendendo o impeachment, mas em menor quantidade.

"Isso só reforça que eu estava certa. A fala do prefeito foi misógina pois seu governo deu demonstração na sessão de que também é, manifestada na conduta desrespeitosa de seus comissionados. O machismo estrutural é tão fortemente arraigado que as vítimas estavam a favor de seu próprio algoz. É bem verdade que também estavam defendendo seus cargos. Mas o desrespeito foi espantoso. Ainda tenho mesmo muito a lutar" continuou o parlamentar.

Um dos vereadores que votou a favor do arquivamento do pedido de impeachment justificou seu voto alegando que o prefeito já havia se pronunciado publicamente sobre o caso e reconhecido que errou. A fala dele foi aplaudida pela plateia que gritava o nome do parlamentar.

Votaram contra o impechment os vereadores Thiago Soares, Elves, Paulista dos Pets, Jeordane, Paulinho do Royal, Joel Tinoco e Beto Jaba. Os votos favoráveis são de Pedrinho ADL e Roseli Enfermeira.

A prefeitura foi procurada, mas ainda não se manifestou sobre as acusações da vereadora de que os manifestantes eram servidores comissionados.

Entenda o caso:
O caso foi compartilhado nas redes sociais na última sexta-feira, e desde então Esteves tem sido alvo de críticas. O partido Solidariedade expulsou o político da legenda. Em nota, a direção estadual do partido disse que a fala de Mário foi "misógina, demonstrando total desrespeito às mulheres", e que a decisão foi unânime. Afirmou ainda que o Solidariedade "não tolera discursos, ações e demonstrações de qualquer preconceito".

"O que não falta em Barra do Piraí é criança. Cadê o Dione [secretário de Saúde]? Tem que começar a castrar essas meninas. Controlar essa população. É muito filho, cara. É no máximo dois. Tem que fazer uma lei lá na Câmara. Haja creche para ser construída ao longo dos próximos anos. Tem que ter um projeto federal, estadual e municipal, porque precisa, sim, desse controle. É muita responsabilidade colocar filho no mundo", disse o prefeito no evento.

Em nota divulgada no sábado, a prefeitura afirmava que Esteves "entende que a laqueadura seja um dos procedimentos para o incremento do planejamento familiar, assim como a vasectomia. Jamais teve a intenção de promover qualquer tipo de prática danosa ou preconceituosa às mulheres". A fala do prefeito, segundo o comunicado, foi fruto de "um momento de descontração". A nota cita ainda os investimentos da prefeitura no Hospital Maria de Nazaré e nos programas Saúde da Mulher e Saúde do Homem, "onde o planejamento familiar é discutido".

Prefeito se defende:

Esteves voltou às redes sociais no começo da semana para se defender:
"Quero aproveitar essa oportunidade mais uma vez para pedir desculpa pelo erro que eu cometi. Não estou aqui para fugir das minhas responsabilidades. Aliás tenho certeza de que como homem público eu preciso tomar mais cuidado com as minhas palavras", disse o prefeito que fez um balanço positivo do seu segundo mandato. "Infelizmente no discurso recente de inauguração de uma obra importante para a cidade cometi uma falha, pela qual mais uma vez peço desculpas. Em vez de falar em planejamento familiar, vasectomia, laqueadura usei a palavra castração equivocadamente. Infelizmente o erro já foi cometido. Mas reitero meu pedido de desculpa a todos aqueles que se sentiram ofendidos", completou reconhecendo que que a repercussão foi muito negativa. E, finalizou prometendo aproveitar a oportunidade para levantar uma pauta nacional pelo planejamento familiar.

Veja também

Júri do julgamento de Trump inicia 2º dia de deliberações
mundo

Júri do julgamento de Trump inicia 2º dia de deliberações

Ministro do Gabinete de guerra de Israel pede eleições antecipadas, e premier reage
guerra no oriente médio

Ministro do Gabinete de guerra de Israel pede eleições antecipadas, e premier reage

Newsletter