A-A+

Cavalgada e visita à família da tribo Mapuche, no Chile

A cidade de Curarrehue, que abriga 80% do único povo nativo da América a vencer militarmente os conquistadores europeus, fica nos arredores do vilarejo chileno de Pucón

Cavalgada até a tribo chilena MapucheCavalgada até a tribo chilena Mapuche - Foto: @ahvamosviajar/Arquivo

Em uma viagem pela América do Sul você vê paisagens de tirar o fôlego e monumentos impressionantes, mas muitos aos pedaços, assim como a cultura do nosso povo. A destruição provocada pelos colonizadores europeus e a influência deles está em todos os lugares. Como brasileiros, sabemos bem disso. Aprendemos sobre “o descobrimento” na escola, mas é importante e também duro crescer e conhecer o que resta de “hermanos” que foram dizimados neste período. Em minhas andanças, ouvi histórias assim em todos os cantos. Em meio a tudo isso, um povo indígena chama atenção por sua resistência: os Mapuche. Quando visitei Pucón, no Chile, descobri que estava bem perto deles.

Para chegar até a tribo, no entanto, achamos melhor procurar alguma agência turística de Pucón. E assim começou a nossa jornada até o lugar onde vive a tribo conhecida por lá como o único povo nativo da América a vencer militarmente os conquistadores espanhóis, resistindo por mais de 300 anos com suas técnicas de guerrilha. A cidade de Curarrehue, que abriga 80% da população Mapuche, fica nos arredores do vilarejo chileno de Pucón. 

Leia também:
Subindo o vulcão Villarrica na aventureira Pucón, no Chile
Milhouse Buenos Aires: a minha primeira e melhor experiência em hostel

Para ter contato com a cultura de raiz, atravessamos bosques milenares e até um trecho de rio. O percurso foi todo feito a cavalo. Mesmo nunca tendo montado sozinha, recebi as orientações básicas sobre como controlar, segurar as rédeas (as duas cordas que servem para guiar o animal) e comecei o passeio junto com amigos brasileiros. Na época (2013), a cavalgada até à tribo Mapuche custou 16 mil pesos chilenos. 

Cavalgada até a tribo chilena Mapuche

Todos começaram o passeio timidamente. A égua que foi minha companheira nessa aventura se chama Morena. O percurso até a tribo é incrível. Algumas vezes cheguei a me sentir em meio a um cenário de filme ou série. Os cavalos se comportavam bem e ninguém teve grandes problemas.

Depois de percorrer parte do caminho, paramos para um descanso às margens de um rio. Já mais acostumados com os cavalos, o resto da jornada foi ainda mais divertida e chegamos até a correr um pouco com eles.

Cavalgada até a tribo chilena Mapuche

Por fim, atravessamos a área do rio que ficava em nosso caminho e já era noite quando chegamos na huka (oca de palha e madeira) da família Mapuche que aceitou nos receber. Estes índios usam lenços coloridos e adornos de prata na cabeça e no pescoço. Quem visita a tribo pode colocar uma roupa e os adornos para tirar uma foto com uma espécie de tambor na mão. No entanto, eles pedem para a gente não bater nele.

O objeto que aguçou a nossa curiosidade se chama Meli Mitran Mapu. É o instrumento musical mais importante da cultura Mapuche. Ele é utilizado pelo chamán/curandeiro da tribo em rituais religiosos e culturais, bem como no ritual anual da fertilidade.

Cavalgada até a tribo chilena Mapuche

Apesar do passeio incrível, nosso contato com os índios, infelizmente, foi o mínimo. Eles nos receberam, mostraram os adornos e serviram o jantar. Tomamos a bebida deles, de gosto não muito atraente, e comemos pães, pastéis e empanadas servidas lá, que não pareciam diferentes das encontradas em outros cantos do Chile

Me senti um pouco intrusa e incomodada, mas entendo também que esta, como outras tribos na América do Sul, recebem turistas e tiram disto um tipo de sustento. Apesar da sensação de "realidade maquiada" foi bom estar ali. Após o jantar, um carro levou nosso grupo de volta até à sede da agência de turismo.

Serviço:
Tour: Cavalgada até a tribo mapuche (custava em média $ 16.000 pesos em 2013).
Recomendação: Levar um calçado fechado e confortável

Códigos e descontos para hospedagens:
R$ 130 em desconto no Airbnb
Crédito de R$ 40 no Booking

Contato:
E-mail: [email protected]
Instagram: @ahvamosviajar
Facebook: /AhVamosViajar
Youtube: c/Ahvamosviajar


* Priscilla Aguiar é jornalista, editora adjunta do Portal FolhaPE e criadora dos perfis 'Ah, vamos viajar' no Instagram, Facebook e Youtube com dicas, fotos e vídeos de suas passagens por pelo menos 17 países. 

Veja também

CNJ aprova norma para atendimento da população de rua nos tribunais
Justiça

CNJ aprova norma para atendimento da população de rua nos tribunais

Vale decide devolver processos de mineração em terras indígenas
Território indígena

Vale decide devolver processos de mineração em terras indígenas