Pandemia

Celeiro de novas variantes do coronavírus, Brasil é um risco para o mundo, alerta Longo

Velocidade de transmissão do Sars-CoV-2 no País favorece mutações

Condução da pandemia no País tem deixado a desejar e gerado problemas sériosCondução da pandemia no País tem deixado a desejar e gerado problemas sérios - Foto: Alexandre Aroeira/Folha de Pernambuco

"Estamos mergulhando em uma onda totalmente cegos.” Esse foi o desabafo do médico pernambucano Demetrius Montenegro, chefe do Departamento de Infectologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), no Recife, e uma das referências no tratamento de pacientes com a Covid-19 no Estado.  

Em entrevista coletiva remota concedida na tarde desta quinta-feira (25), Demetrius Montenegro disse que a falta de investimentos do Governo Federal em laboratórios que trabalham com sequencimanto genético de vírus como o Sars-CoV-2 tem prejudicado a tomada de medidas no enfrentamento à pandemia. 

“É importante saber que o Brasil, apesar de ter a tecnologia para identificar essas variantes, não está tendo apoio para os laboratórios de ponta identificarem, o que é extremamente importante do ponto de vista epidemiológico”, destacou o médico. 

No momento, existem, comprovadamente, três variantes de interesse, como são chamadas aquelas que apresentam mutações que agregam benefícios aos vírus, podendo torná-lo, entre outras coisas, mais transmissível e/ou mais agressivo. 

São elas a P.1, oriunda do Amazonas; a B.1.1.7, oriunda do Reino Unido; e a 501Y, oriunda da África do Sul. Em comum, todas têm mutações na proteína Spike, que liga o vírus às celulas humanas. 

Dessas, a P.1 está comprovadamente circulando em Pernambuco. Mas já há registros da B.1.1.7 em outros estados do Brasil, como o Espírito Santo, além do Distrito Federal. O estado capixaba, incluisve, tem sugerido que essa variante é mais letal que outras cepas do Sars-CoV-2. 

"Sabemos dessas que são conhecidas. Mas quantas outras ainda desconhecidas podem estar circulando sem que a gente tenha conhecimento? Isso é uma grande interrogação. Precisava ter um apoio do Governo Federal para ampliar os estudos dessas amostras. Ainda é muito pouco para uma efetiva vigilância epidemiológica, como o resto do mundo faz. Só por curiosidade, a P.1 foi descoberta pela primeira vez no Japão. Já estava causando a pandemia no Amazonas e ninguém sabia. Então, pode estar acontecendo, sim, de termos outras variantes e estarmos cegos a essa situação”, pontuou o infectologista. 

Nesta quinta-feira, o laboratório Aggeu Magalhães, ligado à Fiocruz Pernambuco, confirmou a presença da variante P.1 entre pacientes residentes no Estado. Mas ela não é a única em circulação no território local. Foram detectadas ainda as variantes P.2, B1.1.16, B1.1.27, B1.1.28 e algumas outras menos expressivas, de acordo com o titular da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), André Longo. 

Ele alertou que o Brasil é, no momento, o principal celeiro de variantes do Sars-CoV-2 do mundo. Isso por conta da velocidade de transmissão do vírus no País, que vive um colapso sanitário. Essa velocidade aumenta o risco de mutações, ora sem tanta expressão, ora favoráveis aos vírus. E o risco acaba sendo não só para o Brasil.  

"O celeiro acaba proliferando variantes que podem trazer resistência às vacinas que estão sendo produzidas, o que pode gerar problema não só para o Brasil, mas para todo o mundo. O mundo está olhando para o Brasil por conta disso, pelo potencial danoso que o descontrole da pandemia no Brasil pode trazer para o mundo”, explicou Longo, dizendo que já se fala ainda no surgimento de uma quarta variante de interesse, mas que ainda não há muita clareza sobre ela. 

Veja também

Israel alerta para possível nova onda de coronavírus
Covid-19

Israel alerta para possível nova onda de coronavírus

EUA não vai cumprir meta de vacinar 70% dos adultos até 4 de julho
Coronavírus

EUA não vai cumprir meta de vacinar 70% dos adultos até 4 de julho